Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A primavera começa às 17h02 desta sexta-feira (22) e termina às 13h28 de 21 de dezembro. Segundo a previsão do Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), o primeiro dia da estação será estável, sem chuvas, com temperaturas altas em todas as regiões do Estado. A umidade relativa do ar fica baixa, sobretudo na metade norte do Estado. Deve chover sábado no Oeste, Sudoeste, Litoral e na Capital.

A distribuição das chuvas durante a nova estação deve acompanhar a média histórica no Paraná onde a primavera se caracteriza pelo retorno das chuvas abundantes. “Outubro inicia com um desvio positivo de chuvas ao longo da Bacia do Rio Iguaçu com 50 a 70 milímetros acima da média”, informa o meteorologista do Simepar, Cezar Duquia.

Nas demais regiões as chuvas ficam dentro da média climatológica histórica, com variações mensais. Para novembro estão previstas chuvas dentro da média e em dezembro devem ficar abaixo em todas as regiões paranaenses. Quanto às temperaturas, a previsão é de comportamento na média no primeiro mês. Em novembro e dezembro, devem variar entre a média e acima dela.

LA NIÑA – Há probabilidade de 55% a 60% de que o fenômeno climático La Niña comece a se formar nesta primavera e se estenda durante o verão 2017-2018, conforme sugerem simulações feitas pela maioria dos modelos climatológicos norte-americanos. É o que indica o diagnóstico emitido no último dia 14 pelo Centro de Previsões Climáticas da Administração Nacional Oceânica Atmosférica (NOAA).

Oposta a El Niño, La Niña resfria a temperatura das águas do Oceano Pacífico tropical, central e oriental, provocando mudanças nos padrões de chuvas e temperaturas em todo o planeta.
Duquia explica que como os eventos meteorológicos característicos da primavera variam muito no tempo e no espaço, os valores podem afastar-se da média pontualmente ou em algumas microrregiões. “As alternâncias nas condições atmosféricas tendem a ser mais constantes – períodos sem chuvas podem dar lugar a outros com chuvas rápidas de consideráveis volumes. “Nessa estação, as massas de ar frio que se deslocam pelo Sul do continente são menos intensas do que as do trimestre anterior e tendem a ser menos persistentes quando chegam ao Paraná. As frentes frias que as antecedem podem causar tempestades localizadas de pequena e média escala”, observa o meteorologista.

AGROPECUÁRIA – A estiagem e as altas temperaturas durante o inverno impactaram a agropecuária. A semeadura do milho atrasou e a do feijão das águas foi comprometida na maioria dos municípios devido à falta de umidade do solo. Na primeira florada da cultura do café é esperado um elevado índice de aborto. As pastagens foram prejudicadas, diminuindo a fonte de alimentos para animais de criação. Além disso, aumentou a quantidade de queimadas em função do grande volume de material vegetal seco com alto poder combustível.

De acordo com a pesquisadora do Simepar e do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Ângela Costa, o ar seco e as temperaturas elevadas aumentam a necessidade de água das hortaliças. “Nesse cenário é preciso irrigar mais para manter a qualidade e a produtividade das lavouras”, observa. Por outro lado, a baixa umidade do ar desfavorece a proliferação de doenças, reduzindo a necessidade de aplicação de agrotóxicos.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.