Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Corretores de imóveis paranaenses atuarão em conjunto com o Ministério Público do Paraná na fiscalização da comercialização de propriedades rurais que tenham sofrido fracionamento irregular. É o que prevê termo de cooperação técnica assinado pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Paraná (Creci) com o MPPR na segunda-feira, 9 de setembro.

A parceria objetiva o estabelecimento de iniciativas conjuntas entre os órgãos com a finalidade de prevenir, fiscalizar, processar e reprimir o parcelamento do solo rural de modo ilegal (dimensões inferiores ao módulo rural mínimo estabelecido no estado). A ideia surgiu diante das várias situações irregulares identificadas recentemente e que exigiram a atuação do Ministério Público.

Fracionamento ilegal

Para a operacionalização da cooperação, o acordo prevê a troca de informações entre o Conselho Regional e o MPPR nas situações em que forem identificados indícios de obras ou ocupações irregulares em propriedades rurais. Nesses casos, a entidade de classe deverá alertar as imobiliárias e corretores de imóveis para que não comercializem tais unidades. Para aprimorar as ações de fiscalização das propriedades, fornecendo subsídios técnicos aos profissionais do setor, a parceria também define que o Ministério Público elaborará, em parceria com o Creci, material de orientação sobre a importância de combate ao fracionamento ilegal do solo rural, com esclarecimentos acerca da legislação relacionada ao tema. O conteúdo será utilizado pelo Conselho em atividades de capacitação dos profissionais que atuam diretamente na fiscalização dos terrenos.

Ao firmar a parceria, o procurador-geral de Justiça, Ivonei Sfoggia, destacou a importância do ato. “O Ministério Público tem atuado de forma rigorosa para coibir a comercialização de loteamentos ilegais e essa parceria representa a união de esforços das duas instituições em benefício da sociedade paranaense”. A questão é acompanhada no Ministério Público pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção ao Meio Ambiente e de Habitação e Urbanismo e pelos núcleos de Curitiba e Maringá do Grupo de Atuação Especializada em Meio Ambiente, Habitação e Urbanismo (Gaema), que possuem planos setoriais sobre o tema. Quem implanta, expõe a venda ou comercializa parcelamentos irregulares de solo rural pode responder pelos crimes previstos na Lei Federal 6.766/1979 (art. 50) e da Lei Federal 8.137/1990 (art. 7º).

Asimp/MPPR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.