Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A proposta é que o Sebrae, Ministérios da Economia e das Relações Exteriores e Apex-Brasil trabalhem em conjunto o Plano Nacional da Cultura Exportadora

O Sebrae assinou ontem (20) um protocolo de intenções com os Ministérios da Economia e das Relações Exteriores, a Apex-Brasil e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) para alavancar o Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE), cujo objetivo é melhorar a participação brasileira no comércio internacional. O evento ocorreu durante seminário que discute estratégias de estímulo às exportações das micro e pequenas empresas. O encontro, que termina nesta quarta-feira (21) com treinamentos, teve a presença de representantes da Alemanha, Argentina e Reino Unido, que descreveram suas experiências. O PNCE vai unificar ações de todas as instituições públicas e o setor produtivo relacionados às exportações.

“Temos que aproveitar esse bom momento que o país está vivendo”, afirmou o presidente do Sebrae, Carlos Melles, ao se referir ao acordo assinado pelas cinco instituições. “Há muito mais a oferecer do que commodities, pois nos preocupamos com a geração de empregos e com a produtividade. A prioridade é simplificar o ambiente de negócios”, ressaltou Melles, lembrando que as micro e pequenas empresas representam mais de 90% dos negócios do país, assim como em outros países, mas o volume de exportação do segmento ainda é pequeno. “O faturamento hoje representa 27% e se conseguirmos chegar a 50%, o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil pode subir 4% ao ano. “Temos que deixar de ser made in China e se tornar made in Brasil”, acrescentou o presidente do Sebrae.

Para o diretor de Desenvolvimento Industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi, o acordo e o seminário são uma oportunidade para que as instituições possam discutir assuntos de interesses em comum. “São todos parceiros essenciais para a implantação do PNCE e que trabalham para simplificar o dia a dia dos negócios. Essa é uma oportunidade única para as micro e pequenas empresas buscarem a internacionalização”, observou Abijaodi. “Precisamos somar esforços e atuar em conjunto”, ressaltou o presidente da Apex-Brasil, Sérgio Segóvia.

A secretária-adjunta da Câmara de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Yana Alves, explicou que o PNCE é uma proposta promissora dotada com novas metodologias. “É um novo momento da agenda da cultura exportadora que vai nos levar ainda mais longe e que surgiu para aumentar a eficiência das empresas”, disse Yana. Segundo o embaixador Norberto Moretti, da Secretaria de Comércio Exterior do Itamaraty, a união entre as instituições vai possibilitar que as ações sejam mais bem coordenadas. “A articulação entre o governo e o setor privado vai ajudar na internacionalização”, observou o secretário, ressaltando que o Ministério das Relações Exteriores possui 121 setores voltados para o incentivo às exportações, além de diversos acordos comerciais com outros países.

Experiências

Participam do seminário representantes e técnicos de instituições que atuam com a temática de internacionalização de empresas e o desenvolvimento de competências para o comércio exterior. O evento, que está sendo realizado na sede do Sebrae Nacional, em Brasília, contou com a participação de representantes da Alemanha, Argentina e Inglaterra, que explicaram as estratégias para que os pequenos negócios possam exportar. Nesta terça-feira, debatedores do Ministério da Economia, da Apex-Brasil, da CNI e do Sebrae abordaram as experiências brasileiras para otimizar a governança no atendimento empresarial para internacionalização.

Segundo o gerente de Competitividade do Sebrae Nacional, Cesar Rissete, um dos maiores desafios atualmente para que os pequenos negócios exportem é a preparação. “Temos que sentar juntos, compartilhar as experiências e avançar”, observou Rissete, se referindo ao baixo volume de venda das micro e pequenas empresas para outros países.

O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Leonardo Diniz, o PNCE será fundamental para os pequenos se beneficiarem dos acordos comerciais, a mesma visão das gerentes da Apex-Brasil, Ana CláudIa Barbosa, e da CNI, Sara Saldanha. No segundo dia do evento acontecerá um treinamento na nova metodologia de atendimento empresarial e aplicação no PNCE.

Asimp/Sebrae

Solenidade PNCE no Sebrae Nacional - Foto:  Charles Damasceno

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.