Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Jurista de Associação de aposentados comenta a iniciativa do senador Paulo Paim (PT-RS)

O projeto de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o caixa da Previdência Social está em vias de se tornar real. O senador gaucho Paulo Paim (PT e portanto oposição ao governo Temer), autor do projeto, está obtendo votos favoráveis à instalação do colegiado até mesmo de correligionários do Executivo e pretende esclarecer e encerrar a polêmica sobre o possível rombo do Órgão da seguridade social brasileira.

O senador Paulo Paim (PT-RS), desde a apresentação do projeto de instalação da CPI da Previdência no plenário para votação, vem angariando cada vez mais apoiadores e votantes em favor de sua iniciativa. O objetivo do camarista, em declarações aos diversos veículos de imprensa nos últimos dias, é de conseguir assinaturas suficientes para suplantar até mesmo a pressão do presidente para desfazer a implantação do colegiado, que tem apoio até mesmo de senadores do próprio PMDB.

Diversas entidades em favor de aposentados, pensionistas e trabalhadores das esferas pública e da iniciativa privada declaram apoio ao projeto do senador Paim. Entre elas está a Associação Brasileira de Apoio aos Aposentados, Pensionistas e Servidores Públicos, A ASBP. De acordo com a advogada e consultora jurídica da Entidade, Carla Oliveira, muitas coisas serão esclarecidas com a instalação da CPI da Previdência Social. “O colegiado (CPI) surge em um momento muito oportuno. Sabemos que quem já é beneficiário da Previdência tem os seus direitos adquiridos garantidos. O problema é para quem é contribuinte do sistema previdenciário e ainda vai se aposentar, pois uma leitura do texto da reforma proporciona uma análise dos especilistas em Direito Previdenciário de que a reforma é desfavorável”, observou a jurista da ASBP.

A “reforma”

A mudança nas regras de concessão dos benefícios previdenciários se tornou a bandeira do governo Michel Temer desde o Impeachment de Dilma Rousseff. De lá para cá, as divulgações do Executivo alardeiam a população com informações de que existe um déficit no caixa do sistema previdenciário brasileiro e que, se a reforma proposta não for aprovada, corre-se o risco de falência da Previdência Social.

Entretanto, uma corrente de especialistas se mostra contrária ao pensamento de que existe o rombo, com base na tese de doutorado da professora da UFRJ, Denise Gentil. O documento informa que o sistema previdenciário brasileiro não corre o risco de quebra por falta de recursos, já que empregados, patrões e a União contribuem com a Previdência Social.

Com isso, reforça o apoio ao colegiado para a investigação do Órgão e de onde surgem as informações do déficit comunicado pelo governo federal. “É a CPI que servirá como ‘tira-teima’. Mas acredito que comprovará em definitivo que a Previdência Social é superatária e não o contrário. Ela (a CPI) tem a incumbência de revelar onde estão os desvios e as causas para o anuncio das inverdades pelo Governo Federal e esclarecer o povo brasileiro, o principal interessado das informações a serem obtidas pela Comissão”, finalizou a drª. Carla.

Asimp/ASBP

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.