Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux e Rosa Weber tomaram posse na quinta-feira (10) como presidente e vice-presidente, respectivamente, dessa corte. Os dois foram eleitos no dia 25 de junho. O mandato é de dois anos. Fux, que assume o cargo em substituição a José Antonio Dias Toffoli, também presidirá o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, foi um dos presentes à cerimônia de posse, que contou com presença reduzida de autoridades e convidados devido às medidas de prevenção contra a covid-19. Também compareceram à sessão ministros do STF e de Estado, o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, o presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidentes da Câmara, Rodrigo Maia.

No discurso de posse, como primeiro gesto simbólico, Luiz Fux prestou solidariedade às mais de 120 mil vítimas fatais da pandemia no Brasil.

O novo presidente do STF destacou a importância do debate construtivo e honesto “em tempos de pós-verdade”, o papel do tribunal na constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, além do respeito à cidadania, à garantia das liberdades individuais e à proteção das minorias nas decisões judiciais. Fux ressaltou a promoção da igualdade no reconhecimento dos direitos dos povos indígenas e afrodescendentes, das uniões homoafetivas e na validação da Lei Maria da Penha. Também anunciou a futura criação do Observatório dos Direitos Humanos.

Luiz Fux também condenou a “transferência voluntária e prematura de conflitos de natureza política para o Poder Judiciário”. Para rebater as críticas de ativismo judicial que têm recaído sobre o STF, ele fez um convite ao Executivo e ao Legislativo a “dar um basta” na judicialização da política e evitar o encaminhamento de questões para as quais o tribunal não dispõe de capacidade institucional.

— Quando, excepcionalmente, assumir esse protagonismo, o Judiciário poderá intervir verticalmente; atuar como catalisador, indutor do processo político democrático, emitindo incentivos de atuação e de coordenação recíproca às instituições e aos atores políticos. Portanto, nos próximos dois anos, será nosso objetivo preservar a dignidade da jurisdição constitucional. Trata-se de compromisso para a sustentabilidade de nossa democracia, para a autoridade de nossa Constituição e para a harmonia entre os Poderes — declarou ele.

A cerimônia foi encerrada com “A Canção de Paz”, em hebraico, cantada por Leonardo Gonçalves, por convite do ministro Luiz Fux, que é judeu. Por meio das redes sociais, Davi Alcolumbre ressaltou que "Fux é o primeiro judeu a assumir o comando do Judiciário brasileiro".

Agência Senado

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.