Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Deputadas de oposição criticam decisão, enquanto parlamentar da base apoia fim da restrição

A decisão do governo de tornar as atividades religiosas essenciais durante o período da pandemia trouxe preocupação para alguns deputados. O governo havia editado decreto (10.292/20), listando as atividades essenciais que não poderiam ser objeto de restrições durante o combate à pandemia. Ontem (26), o decreto foi alterado para incluir mais atividades – são 40 agora – e acrescentou as igrejas.

Legislação de fevereiro de 2020 (Lei 13979/20) deu ao presidente da República a prerrogativa de decidir sobre as atividades essenciais.

Alguns governadores vêm tentando restringir as atividades das igrejas neste período de calamidade pública e já existem ações na Justiça de líderes religiosos que buscam manter as atividades presenciais. Agora, o decreto praticamente eliminaria as restrições, embora determine que as atividades religiosas devem seguir as determinações do Ministério da Saúde.

Nesta quarta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu a abertura das igrejas:

“Só não se aglomerem. Mas rezem, orem. Fé é um elemento de melhora da alma, do espírito. Pastores, padres, preguem pela televisão, pela internet. As pessoas precisam, façam suporte telefônico”, disse.

O vice-líder do governo, deputado Sanderson (PSL-RS), ressaltou o objetivo do decreto:

“O objetivo é fazer com que o Brasil, mesmo num momento difícil, continue minimamente ativo economicamente sobretudo no que diz respeito à saúde, produção e transporte de alimentos, segurança pública. Além de funções que precisam continuar para que a nação não pereça”, observou.

Críticas ao novo decreto
Já a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) disse que vai trabalhar pela modificação do decreto:

“Protejam sua saúde! Proteja os profissionais da saúde que estão na frente de guerra em defesa da vida! Por isso nós entendemos que o decreto do presidente que dá abertura para atividades que ele julga essenciais - atividades em igrejas, em lotéricas - vai na contramão da necessidade da defesa da vida”, disse.

O Congresso Nacional pode aprovar decretos legislativos para sustar atos normativos do Executivo.

A deputada Lídice da Mata (PSB-BA) disse que os serviços devem ser restringidos porque a lógica da quarentena é importante no combate à pandemia:

“A experiência internacional demonstra que os países que tiveram essa vacilação, inclusive os Estados Unidos, hoje vivem um período de imensa dificuldade para conter o crescimento da doença. A ideia central da quarentena total é de você diminuir a curva e a velocidade de contaminação da população. Para que isso permita que o sistema de saúde dê conta do atendimento de todos. E possa efetivamente salvar vidas”, observou.

Recuo do governo
Na coletiva de imprensa de quarta-feira, o ministro Mandetta mostrou, porém, que pretende discutir com os estados o recuo em algumas medidas restritivas para evitar um colapso econômico:

“Os governadores rapidamente vão reposicionar. A gente tem que melhorar esse negócio de quarentena. Ficou muito desarrumado, não ficou bom. Foi precipitado, foi cedo. Foi uma sensação de que ‘entramos e agora como é que saímos’. Então as pessoas têm que saber. Se vamos fazer um sacrifício de uma semana, ok. Se daqui a duas semanas chegarmos em outro patamar, talvez tenhamos que parar mais tanto. E assim a gente vai junto. Dançar essa sanfona de para e anda. Para ver se a gente sai disso o mais rápido possível”, observou.

No decreto, o governo federal também determina que os estados justifiquem decisões no sentido de restringir o transporte intermunicipal, considerado serviço essencial.

O decreto afirma ainda que são serviços essenciais aqueles indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, ou seja, serviços que, se não atendidos, colocam em perigo a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população. Alguns exemplos são saúde, segurança pública e distribuição de água.

Portanto, ele também proíbe a restrição de atividades que dão suporte a estes serviços ou da circulação de trabalhadores que possa afetar o seu funcionamento.

Sílvia Mugnatto/Agência Câmara de Notícias

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.