Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em 1906, o brasileiro Alberto Santos Dumont surpreendeu o mundo ao voar com o inovador 14-Bis nos céus de Paris

Unidos pelo mesmo fascínio pelo voo, pilotos das Aviações de Caça, Patrulha, Busca e Salvamento, Transporte, Asas Rotativas e Reconhecimento da Força Aérea Brasileira (FAB) celebraram na terça-feira (23) o Dia do Aviador e da FAB. A data é referência a 23 de outubro de 1906, quando o brasileiro Alberto Santos Dumont surpreendeu o mundo ao voar com o 14-Bis nos céus de Paris, no Campo de Bagatelle, na França.

A partir de então, uma revolução foi iniciada no universo aéreo. O 14-Bis de Dumont percorreu 60 metros em sete segundos, voando a dois metros do solo diante de mil espectadores e a Comissão Oficial do Aeroclube da França, instituição de reconhecimento internacional autorizada a homologar a descoberta aeronáutica marcante.

Em homenagem a Santos Dumont, considerado o Pai da Aviação, em 1936, o então presidente da República, Getúlio Vargas, instituiu, por meio de lei, a celebração do dia 23 de outubro. A data, que marca os 112 anos do primeiro voo realizado no mundo, também é comemorada por aviadores de Norte a Sul do País e pelo Comando da FAB. "É a homenagem a homens e mulheres que alçam voo sob a égide da perícia e da responsabilidade, diuturnamente engajados na constante vigilância e defesa dos valores mais puros de nossa nação", ressaltou o comandante da FAB, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato.

Missão da FAB

Atualmente, a Força Aérea Brasileira comanda 22 milhões de km², sob a responsabilidade de manter a soberania do espaço aéreo, com vistas à defesa da Pátria. Em toda essa área, a FAB também cumpre missões para localizar e salvar pessoas em perigo na terra ou no mar.

Na chamada Zona Econômica Exclusiva, que totaliza 12 milhões de km², a FAB atua em unidades operacionais em regiões estratégicas, utilizando estrutura de defesa com aeronaves de Caça, Transporte, Patrulha Marítima, Reconhecimento, Asas Rotativas e Alerta Aéreo Antecipado. Além da aviação, utiliza ações terrestres de Contraterrorismo, de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e de Defesa Antiaérea.

Primeiros aviões

O uso das primeiras aeronaves da FAB teve caráter de patrulha das costas marítimas. Em 1941, o Brasil estava neutro em relação à Segunda Guerra, mas suas recém-criadas bases aéreas foram utilizadas pelos americanos. Os aviões começaram seus primeiros combates contra os submarinos alemães. Depois, esquadras inteiras foram enviadas para a guerra na Europa.

Hoje, grande parte das aeronaves da Força Aérea proporcionam a integração do Brasil em diferentes missões, como ajuda humanitária, ações cívico-sociais, transporte de pessoas e suprimentos, transporte de órgãos e de urnas eleitorais, evacuações aeromédicas e construção de pistas.

Formação do aviador

Uma das opções para se tornar um piloto militar é por meio da Escola Preparatória de Cadetes do Ar, instituição de ensino médio da Força Aérea Brasileira (FAB), localizada em Barbacena (MG). Ao final do terceiro ano, o aluno é submetido ao Teste de Aptidão à Pilotagem Militar (TAPMIL). Se aprovado, pode entrar diretamente na Academia da Força Aérea Brasileira (AFA).

A segunda opção, para os formados no ensino médio em outras escolas, é por meio de processo de seleção diretamente para a AFA. São quatro anos de curso. Ao se formar, o cadete recebe título de Bacharel em Ciências Aeronáuticas, com habilitação em Aviação Militar, e de Bacharel em Administração, com ênfase em Administração Pública.

Fonte: Governo do Brasil, com informações da FAB

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.