Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

55º Dia Mundial das Comunicações será celebrado neste domingo, 16; recorde a mensagem do Papa Francisco para a data

A comunicação autêntica e profunda é capaz de perceber a dor do outro e plantar esperança nos corações desolados. É o que afirma o mestre em comunicação social, diácono Francisco Galvão, ssp, da Congregação dos Padres e Irmãos Paulinos.

O religioso recorda a mensagem do Papa Francisco para o 55º Dia Mundial das Comunicações. A data é celebrada neste domingo, 16, Solenidade da Ascensão do Senhor.

A mensagem do Santo Padre para a data foi publicada em 23 de janeiro deste ano. Ela é intitulada: “Vem e verás”. “É o convite que Jesus faz a todos os seus seguidores, de ontem e de hoje. É um chamado claro e desafiador, para o qual nem todos estamos preparados”, disse o diácono.

Segundo o mestre em comunicação, ‘ir e ver’ está intimamente relacionado à experiência com o Mestre e supõe desapego. Os verbos exortam a uma renúncia e disposição para ver e experimentar o que Jesus tem a dizer.

‘’Ir e ver’ significa renunciar aos próprios planos e deixar-se conduzir pelo Senhor. Assim é também a comunicação humana que supõe movimento, saída, encontro com o próximo”.

Para o Papa, afirma o diácono Francisco, não há comunicação autêntica sem o encontro com o outro. “Comunicação é relação, é sair de si mesmo, é ‘ir e ver’ o que o outro tem a nos oferecer, ainda que seja a sua própria vulnerabilidade”.

Verdadeira comunicação: sem egoísmo ou autossuficiência

O mestre em comunicação social observa que a sociedade atual é hiperconectada. Ao mesmo tempo, ele a define também como carente de afeto e comunhão.

 “Somos ‘solitários interconectados’, para usar uma expressão do sociólogo Zygmunt Bauman. Neste sentido, o Papa Francisco nos ajuda a perceber que a verdadeira comunicação não comporta egoísmo ou autossuficiência”, frisa.

Somos membros uns dos outros e todos necessitamos de ternura e de encontro, explica diácono Francisco. Ele destaca que outra característica importante da comunicação é a escuta.

 “Penso que, com o excesso de conectividade e preocupação com o amanhã, estamos perdendo a capacidade de escuta do outro e de nós mesmos. Quem pouco se escuta, facilmente perde a direção do caminho e, consequentemente, deixa de escutar a voz de Deus”.

Pensar na realidade do próximo

O subtema da mensagem do Papa é: “comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são”. A frase é bastante profunda e desafiadora, opina o mestre em comunicação social.

 “Leva-nos a sair de nossa comodidade e a pensar na realidade do próximo: especialmente nesse tempo difícil de pandemia, quem é o meu próximo? Onde estão as pessoas? Como estão vivendo? O que podemos fazer para aliviar um pouco a sua dor e sofrimento?”, questiona o religioso.

Comunicar, sobretudo neste tempo, esclarece diácono Francisco, é muito mais que proferir belas palavras nas redes sociais.

 “A comunicação autêntica é profunda nasce do silêncio, da oração. Somente a comunicação que nasce de dentro é capaz de perceber a dor do outro e plantar esperança nos corações desolados”, pontua.

 “Ainda temos muito o que aprender com Francisco e com sua maneira sutil de comunicar o Amor” – Diácono Francisco Galvão

Internet: ambiente de oportunidades e ciladas

O Papa Francisco está longe de ser um conformista ou um comunicador ingênuo, assegura o religioso da Congregação dos Padres e Irmãos Paulinos.

O Santo Padre, continua o mestre em comunicação social, reconhece que a internet e as mídias sociais são dom de Deus, mas também sabe de suas ambivalências e até insuficiência.

O jornalista e Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, Filipe Domingues, ressalta que os meios de comunicação não são mais simples transmissores de conteúdos.

Trata-se de portais de ambientes digitais, que interferem diretamente no mundo fora das redes, destaca o comunicador. Filipe sublinha o fenômeno das Fake News e as consequências negativas que traz para a sociedade.

Diácono Francisco comenta que, para o Pontífice, a Internet não é uma rede de fios, mas de pessoas. “Tudo passa pelo crivo da própria consciência e do autodomínio. Em outras palavras, é preciso saber o momento certo de se conectar e se desconectar.”

As redes sociais são importantes e podem fortalecer as relações, mas, em excesso, podem ser um perigo para nossa saúde mental e espiritual, alerta o religioso.

Comunicação é um dos temas recorrentes de mensagens e discursos do Papa /Foto: Headway via Unsplash

Mídias de inspiração católica

Filipe recorda as mídias de inspiração católica, a grande missão e os desafio delas: transparecer uma visão de mundo inspirada nos valores cristãos.

Outro desafio destes meios, de acordo com doutor em Ciências Sociais, é o de entrarem em diálogo com a ampla sociedade.

Papa é um grande comunicador

O Papa “faz” comunicação sem dizer uma só palavra, pontua diácono Francisco. Os gestos do Santo Padre, imbuídos de ternura e de verdade, criam comunhão, fazem com que todos acreditem em uma comunicação que vai além da palavra, da imagem ou do som.

“Francisco é um grande comunicador, mas para perceber isso é necessário contemplação, isto é, um olhar interior”, sublinha o religioso.

A comunicação do Pontífice, comenta o mestre em comunicação social, é fruto de uma vida autêntica e alicerçada na intimidade com Jesus, o comunicador do Pai, o Homem do encontro e da comunhão.

 “Ainda temos muito o que aprender com Francisco e com sua maneira sutil de comunicar o Amor”, conclui.

Julia Beck/Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.