Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Papa São João Paulo II falava do divórcio como “uma praga” que põe fim a muitos casamentos. De fato, a sua possibilidade gera uma insegurança em muitos casais, sobretudo naqueles que vivem um relacionamento um tanto conturbado. Na verdade, ele é uma grave ofensa à dignidade do casamento.

Jesus insistiu, na intenção original do Criador, que queria um casamento indissolúvel. “Não separe o homem o que Deus uniu” (Mt 19,6). Ele eliminou as tolerâncias que se tinham introduzido na Lei antiga. Por isso, entre batizados, o matrimônio ratificado e consumado não pode ser dissolvido por nenhum poder humano nem por nenhuma causa, exceto a morte; a menos que tenha sido um casamento nulo, por decisão do Tribunal da Igreja.

Quais razões levam a um divórcio?

Há muitas razões pelas quais pode acontecer um divórcio, ou mesmo levar os cônjuges à insegurança, mesmo que a separação ainda não se concretize.

Algumas das razões para um possível divórcio já foram abordadas em nossa matéria anterior sobre a traição. Um namoro mal vivido, onde não houve um bom discernimento, pode arrastar dúvidas ao casamento e dar margem a se pensar em divórcio.

A infidelidade de um dos cônjuges gera o medo do divórcio; as sucessivas brigas do casal não bem resolvidas, as carências de cada um não satisfeitas no relacionamento conjugal, as dificuldades na vida sexual, a falta de religião, a falta de diálogo e de atenção com o outro… tudo isso e muitas outras causas podem gerar o medo de uma separação.

Como evitar a insegurança?

Evidentemente, para evitar essa insegurança, o casal cristão precisa sempre renovar o compromisso assumido no altar de serem fiéis um ao outro, por amor a Deus que os uniu. Uma vida de oração, de meditação da Palavra de Deus, a vivência frequente dos sacramentos da confissão e da Eucaristia, a reza do terço em família etc., são as melhores salvaguardas contra essa insegurança.

O demônio sabe amedrontar as mentes dos casais com sugestões de separação, mas Deus nos protege com sua graça quando nos colocamos debaixo de Sua proteção e da proteção da Virgem Maria.

É muito importante que cada cônjuge saiba compreender o outro nos seus momentos de crise e dificuldade, ajudando-o, com o seu amor, a vencer seus problemas, para que isso não gere uma instabilidade perigosa no casamento. Quando um estiver nervoso, o outro precisa manter a calma, não revidar as ofensas, saber calar e saber falar na hora certa e do jeito certo.

O compromisso de viver a paciência, a compreensão com o outro, a humildade, o perdão, a bondade, a eliminação do egoísmo, a fé etc., é o que dá ao casal uma fortaleza espiritual que elimina o medo de um divórcio.

O cônjuge cristão nunca deve pensar em divórcio, porque seus efeitos são terríveis. Ele é ofensa grave à lei natural, porque rompe um compromisso livremente assumido e consentido pelos esposos, diante de Deus e dos homens, de viver um com o outro até a morte. A Igreja nos ensina que o divórcio lesa a aliança de salvação de Cristo com a Igreja (cf. Ef 5,25), da qual o matrimônio sacramental é o sinal. O Catecismo diz:

 “O fato de contrair nova união, mesmo que reconhecida pela lei civil, aumenta a gravidade da ruptura; o cônjuge recasado passa a encontrar-se em situação de adultério público e permanente” (n. 2384).

O divórcio cria uma desordem na família e na sociedade: para o cônjuge que fica abandonado; para os filhos, traumatizados pela separação dos pais, e muitas vezes disputados entre eles (cada um dos cônjuges querendo os filhos para si); e seu efeito de contágio, que faz dele “uma verdadeira praga social”. (cf. CIC n. 2385)

É importante que os cônjuges cristãos pensem seriamente sobre tudo isso para que cada um, diante de Deus e do outro, jamais pensem ou falem da possibilidade de se divorciarem.

Professor Felipe Aquino é viuvo, pai de cinco filhos. Na TV Canção Nova, apresenta o programa “Escola da Fé” e “Pergunte e Responderemos”, na Rádio apresenta o programa “No Coração da Igreja”. Nos finais de semana prega encontros de aprofundamento em todo o Brasil e no exterior. Escreveu 73 livros de formação católica pelas editoras Cléofas, Loyola e Canção Nova. Página do professor: www.cleofas.com.br Twitter: @pfelipeaquino

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.