Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Na Declaração de Curitiba, em 1978, a Ordem dos Advogados do Brasil repudiou o estado de exceção, a arbitrariedade e a agressão. A advocacia clamava pelo Estado de Direito, pela democracia e pelos direitos fundamentais. Armada com a palavra e a razão, fortalecia, naquele dia, os sustentáculos da OAB, os princípios que orientam nossas escolhas, os valores que hoje nos definem: a defesa da Constituição e das leis, da ordem jurídica do Estado Democrático de Direito, dos direitos humanos, da defesa das liberdades e da justiça social.

A nossa democracia é jovem e está em contínua construção. O tecido constitucional é resiliente, mas sujeito a rasgos. Não podemos esmorecer na luta pela preservação das instituições democráticas, pelos direitos, pelo respeito ao outro. A Ordem dos Advogados do Brasil, pela sua relevante missão institucional, reconhecida no artigo 44, da Lei 8.906/94,tem, por dever, velar pelo respeito à Constituição da República, expressão legal maior da vontade popular, a que todos devem obediência.

Enfrentamos um dos maiores desafios da nossa geração. Um vírus que ceifa vidas; uma crise política que coloca em risco o Estado Democrático de Direito; decisões governamentais que ignoram a ciência e rejeitam a preservação da saúde, conflitos que ameaçam a harmonia e independência dos Poderes da República. Riscos que se acumulam e que depreciam as conquistas de décadas, conquistas defendidas pela advocacia brasileira.

As palavras dos Poderes constituídos não são palavras ao vento. São capazes de vergar a Constituição da República e provocar danos irreparáveis às nossas instituições. Ofensas à imprensa livre, à livre manifestação, ataques à igualdade de direitos e às minorias constituem comportamentos que devem ser condenados por todos os brasileiros que respeitam a ordem constitucional.

A Advocacia, em fiel cumprimento ao seu juramento, não permitirá a volta das sombras. A Ordem dos Advogados do Brasil, orientada pelo seu dever de lealdade à Constituição da República, zelará pelo respeito aos direitos fundamentais, pela legalidade, pela liberdade, e pela vida, pilares inegociáveis do Estado Democrático de Direito.

Em momento de grave tensão institucional, exige-se dos governantes e exercentes dos Poderes constituídos, em nome sobretudo da preservação da Democracia, equilíbrio, respeito à Constituição, bom senso e a mais absoluta fidelidade aos princípios da Administração Pública — moralidade, impessoalidade, publicidade, legalidade e eficiência.

Benê Bianchi/Asimp/Conselho Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.