Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A proliferação do coronavírus no Brasil – até ontem já haviam sido confirmados mais de 234 casos no país – esta alterando a rotina das instituições, das escolas, das empresas e da população como um todo. Para evitar um surto da doença covid-19, como aconteceu na China, na Itália e em outros países, aglomerações estão sendo evitadas, eventos cancelados e medidas tomadas, como o home office (trabalho em casa), quando possível.

 “Tudo o que for possível fazer para evitar a transmissão do vírus e da doença, deve ser feito. O Brasil está respaldado por uma lei emergencial [publicada no Diário Oficial da União no dia 7 de fevereiro], que prevê possíveis medidas nesses casos”, explica o professor e advogado Jossan Batisute, conhecido como San, especializado em várias áreas do Direito. Enfim, o que pode ou não pode na hora de cancelar aulas, faltar ao trabalho e outras medidas preventivas? O advogado explica!

-Quem estiver em quarentena ou isolamento por suspeita ou confirmação do vírus terá falta justificada durante o período estabelecido. Nesse caso, é a empresa que vai arcar com o pagamento dos salários do trabalho na ausência compulsória, mesmo que esse tempo exceda os 15 dias previstos na lei trabalhista, a partir dos quais a Previdência Social se responsabilizaria pelo pagamento.

-O home office (trabalho em casa), previsto pela legislação trabalhista, não é uma obrigação nem mesmo nesses casos, a não ser que o funcionário esteja exposto ao risco iminente de contrair a doença no trabalho. Entretanto, pode ser adotado como uma política corporativa para evitar aglomerações. Medidas simples, todavia, evitam qualquer problema: sabonete no banheiro e álcool em gel no ambiente de trabalho, assim como máscaras disponíveis e ambiente ventilado.

-A lei exige que as empresas proporcionem um ambiente salubre para os empregados. Mas, não especifica que itens devem ter disponíveis num caso como o do coronavírus, em que a doença não está ligada à atividade laboral. A Organização Mundial de Saúde (OMS), no entanto, estabeleceu algumas recomendações: higienizar e desinfetar mesas e telefones; orientar colaboradores a lavarem as mãos com frequência; disponibilizar máscaras e papel; deixar funcionários com sintomas, mesmo que leves, em casa; e evitar viagens a trabalho, mas, quando forem necessárias, pesquisar sobre o destino e deixa-lo 7 dias em casa depois da volta. Quanto aos itens de prevenção (álcool em gel, máscaras, etc.), fornecê-los desde que haja disponibilidade nos comércios locais.

-O que não pode: trabalhadores não podem se recusar a trabalhar, a não se quando o ambiente de trabalho oferece riscos de contaminação. Exemplo: profissionais da saúde sem os equipamentos de proteção. Os colaboradores também não podem faltar ao trabalho porque as escolas dispensaram as aulas e não têm com quem deixar as crianças.

-Na medida do possível e salubre, recomenda-se que as corporações e empresas encontrem soluções seguras e saudáveis para não paralisarem suas atividades econômicas, bem como idealizem e implementem soluções jurídicas para o trabalho, tais quais: banco de horas ou acordo de compensação; acordo coletivo de trabalho (com a participação do sindicato), teletrabalho ou home office, dentre outras práticas.

Veja a lei: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Lei/L13979.htm

Fábio Luporini/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.