Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O senador Flávio Arns (Podemos/PR) apresentou na quinta-feira (29) três emendas ao PL 5595/2020, que está na pauta do Senado para ser votado na data de hoje. No texto original, o projeto cria a obrigação geral de reabertura das escolas, salvo determinadas exceções.

Arns sugere, por meio de emenda modificativa, que seja priorizada a adoção de medidas de retorno seguro às atividades de ensino e aprendizagem, na educação básica e superior, no âmbito das redes pública e privada de ensino, respeitando as necessárias condições sanitárias, materiais e epidemiológicas. Essa constatação seria realizada pelo Estado, Distrito Federal ou Município, devidamente baseada em critérios técnicos e científicos divulgados em ato do respectivo chefe do Poder Executivo.

 “Ao se enquadrar a educação presencial na definição jurídica de atividade estatal essencial, isso significaria incluir o serviço educacional presencial no rol daquelas atividades previstas na legislação que não podem ser interrompidas em situações excepcionais ou emergenciais tais como greves ou calamidades, o que sabemos não condizer com a realidade prática. Reitero que somos a favor da reabertura das escolas, mas não de qualquer maneira, precisamos garantir a segurança sanitária dos estudantes, professores e profissionais da educação”, destacou o senador.

Outra emenda de Arns altera a redação do projeto para evitar dupla interpretação sobre pais e alunos não pertencentes a grupos de risco e que optassem por não comparecer às aulas presenciais. O parlamentar sugere que fique claro que para isso acontecer é preciso que se cumpra ao menos uma das condições propostas: enquanto perdurar a emergência de saúde pública decorrente da pandemia da Covid-19, ou, alternativamente; se os educandos ou seus familiares integrarem grupo de risco de contágio pela Covid-19, desde que devidamente comprovado.

Arns também acrescenta, por meio de emenda aditiva, no rol de princípios e diretrizes da estratégia para o retorno às aulas presenciais, o chamado Protocolo TRIS (testagem, rastreamento dos contatos dos infectados e isolamento de suporte). “É um protocolo sanitário de combate à pandemia Covid-19 adotado no mundo inteiro, e tem se demonstrado uma das principais estratégias para conter ou prevenir a disseminação de novos focos da doença”, explica Flávio Arns.

Greicy Pessoa/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.