Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Reinvenção se deu por conta da pandemia e faz sucesso entre pacientes

Em homenagem às instituições hospitalares e aos profissionais de saúde, no dia 2 de julho é celebrado o Dia Nacional do Hospital. Desde 2013, um grupo de humanização hospitalar cristão, conhecido como Doutores de Esperança, mantido pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (ADRA), atua em hospitais de todo o Brasil levando alegria para crianças, adultos e idosos hospitalizados, seus acompanhantes e profissionais de saúde.

O projeto, que começou em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, hoje conta com centenas de voluntários e se estendeu para outras cidades, como Barra Mansa, Pinheiral, Barra do Piraí, Petrópolis, Paty do Alferes, Brasília, entre outras. A iniciativa está em processo de extensão.

A essência do trabalho é a utilização da paródia do palhaço que brinca de ser médico no hospital, tendo como referência a alegria e o lado saudável dos hospitalizados, além de colaborar para a transformação do ambiente por meio de mensagens de esperança levadas pelos voluntários.

Com a pandemia, o grupo precisou se reinventar. Foi então que surgiu a ideia de criar a “Adriana”, uma palhaça digital que visita os quartos das instituições.

A Adriana é, na verdade, um manequim que usa os mesmos trajes do grupo antes da pandemia, e um tablet na altura do rosto. A boneca é levada aos leitos por meio da ajuda de médicos e enfermeiros que fazem parte da equipe da ação; logo, é estabelecida a conexão entre os Doutores da Esperança, que estão do outro lado da tela, e seus querido pacientes.

O agente social do projeto, Wescley Ferute, explica que os voluntários passaram por um treinamento para a nova modalidade de atendimento. “Fazemos uma ligação em tempo real. Os voluntários participam da live e levam uma mensagem de alento aos profissionais da saúde, pacientes e familiares nos hospitais”, frisa.

Seja no virtual ou presencial, todos os integrantes são devidamente treinados, passando por cursos de capacitação, interpretação e palhaçaria, a fim de desenvolver um trabalho sério, levando esperança e fé ao aflito.

Ferute salienta que no treinamento são reforçados todos os protocolos sanitários exigidos dentro do hospital. “A essência do trabalho é a compaixão e a imaginação, transformando até mesmo um ambiente deprimente como de um hospital em um universo alegre e humanizado”, pontua.

Felipe de Souza é um dos voluntários do Doutores de Esperança. O jovem conheceu a iniciativa em 2017, quando estava em um momento difícil de sua vida, sofrendo depressão, síndrome do pânico e ansiedade. Ele relata ter ressignificado sua história por meio das atividades desempenhadas pela equipe. “Meu nome de palhaço é Dr. Rui Drantes. Aprendi que a verdadeira humanização não é só com pessoas, é com todo aquele que cruza o nosso olhar, seja ele um ser humano, um animal, um lugar. Hoje tenho outro olhar para as pessoas. O que muitas vezes falta é o amor ao próximo. Vejo isso nos Doutores. Sou muito grato. Eles me acolheram, me pegaram no colo e me tornaram o que sou hoje”, expressa, emocionado.

A diretora da Escola de Doutores, Raquel Del Campo, que com a pandemia precisou readequar até mesmo os treinamentos, explica que para a equipe entender como seria a nova modalidade, fez com que os integrantes experimentassem e sentissem na prática a reação de quem recebe a “consulta”. "Ligamos para cada um. Quando atendiam, era a Dra. Brincalhona. Cada pessoa tinha uma reação diferente e sentia o carinho que eles transmitem ao próximo quando estão realizando o trabalho”, conclui.

(rafabrondani@hotmail.com)

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.