Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Especialista dá dicas importantes para quem deixou a declaração para última hora

Faltam apenas 3 semanas para o prazo máximo de entrega do Imposto de Renda 2020, previsto para 30 de junho, mas muita gente ainda não enviou sua declaração. De acordo com o último balanço realizado pela Receita Federal no início do mês, quase 50% da população ainda está com o envio pendente no sistema.

Para ajudar os brasileiros que ainda estão com dificuldades em concluir o processo, convidamos o especialista em Economia e professor de Finanças Corporativas e Sustentabilidade Empresarial do ISAE Escola de Negócios, Pedro Salanek Filho, para tirar algumas dúvidas. Confira.

Quem precisa declarar e como funciona a restituição?

Pedro Salanek Filho: O Importo de Renda precisa ser entregue por toda e qualquer pessoa que possuir renda superior ao valor mínimo definido pelo governo (R$ 28.559,70 por ano). É um processo de ajuste anual do valor que foi pago pelo contribuinte em relação ao valor gastos com despesas dedutíveis, durante o ano. Na declaração, o contribuinte efetua o lançamento dos valores de sua renda (que pode vir de mais de uma fonte) e os gastos, além dos lançamentos em bens/direitos e dívidas/ônus. A declaração recalcula este valor de imposto e, caso tenha sido pago a mais, o governo restitui, já se foi a menos, o contribuinte irá pagar a diferença.

Quais os riscos para quem deixa a declaração para a última hora? 

PSF: Entregando nos últimos dias não teria nenhum tipo de risco, pois está dentro do prazo e não reverte multa. O principal problema seria a falta de algum documento para lançamento. Neste caso, é recomendado que a pessoa envie a declaração dentro do prazo e faça uma retificação posteriormente.

Como fazer a declaração de investimentos?

PSF: Depende do tipo de investimento, mas geralmente são lançados no item "Bens e direitos". Caso a pessoa tenha algum financiamento, como de imóveis e veículos, deve ter a contrapartida em "dívidas e ônus reais", como se fosse uma relação de ativos (destinos) e passivos (fontes). Já para os investimentos/aplicações em renda variável existe um campo específico.

No caso de uma indenização trabalhista, como declará-la?

PSF: A declaração de uma indenização trabalhista é no código 4 do item "Rendimentos isentos e não tributáveis". Deve ser lançado com o CNPJ da fonte pagadora. Caso também tenha FGTS, deverá ser no mesmo código com outro lançamento, informando a CEF como fonte pagadora.

Quais tem sido os erros mais comuns que a Receita Federal tem registrado?

PSF: Geralmente são erros de lançamentos de valores ou em campos/códigos equivocados. Atualmente a receita tem um sistema moderno para efetuar o cruzamento das informações e identificar estes erros. Ocorre também o esquecimento de alguns lançamentos, como a renda de dependentes, ganhos com ações e recebimento de aluguéis. Por outro lado, se o contribuinte ocultar alguma renda/ganho ou registrar um lançamento de despesas sem comprovação, a Receita Federal também consegue identificar e efetuar o ajuste do imposto. 

Como evitar a malha fina?

PSF: Fazendo o registro adequado das informações e evitando os erros mencionados anteriormente. Dessa forma a Receita Federal fará o cruzamento das informações existentes com os valores declarados pelo contribuinte e classificará a declaração como processada. Caso existam todos os documentos e os valores foram lançados nos campos corretos, não há com o que o contribuinte se preocupar.

Fernanda Glinka/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.