Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A inclusão digital é uma oportunidade de integração e desenvolvimento para a população em geral, mas oferece contribuições expressivas no ambiente educacional, quando executada por meio de projetos customizados. Além de resultados facilmente mensuráveis, esse tipo de iniciativa oferece novas possibilidades a professores, alunos e para a sociedade como um todo.

Cláudio Marcellini é professor e especialista em projetos customizados de inclusão digital há mais de 20 anos e está à frente da iniciativa Projetos Customizados em Inclusão Digital para Desenvolvimento, Inclusão Social e Geração de Valor, com o modelo de ensino H2H – Human to Human –, feito de pessoa para pessoa.

O professor e especialista explica que a iniciativa tem como objetivo aproximar os cidadãos do ambiente digital com um método de ensino customizado, apresentando a internet como uma ferramenta capaz de ampliar e dinamizar o conhecimento de professores e alunos. “O objetivo do projeto é demonstrar que a internet é muito mais do que um canal de entretenimento e redes sociais, é uma porta de inclusão e desenvolvimento educacional, social e econômico”, comenta.

Marcellini ainda esclarece que a inclusão digital no ambiente de ensino aproxima o estudante do empreendedorismo digital e geração de negócio, impulsionando a geração de empregos e contribuindo diretamente para a inclusão social em curto prazo. “Um aluno, antes perdido nas drogas e sem referência ou perspectiva, poderá se conectar às possibilidades da internet e descobrir que pode procurar emprego, vender serviços e produtos com apenas um clique no celular”, comenta.

Sobre o custo da implementação nas escolas paranaenses, o docente esclarece: “O investimento é baixo, pois o projeto é subsidiado. Além disso, o retorno pode ser facilmente mensurado, pois a geração de emprego imediata com os multiplicadores locais e a inclusão social direta são resultados facilmente observados em curto prazo”.

As contribuições do projeto nas diferentes áreas da sociedade são resultado do modelo H2H, um método dedicado a conscientizar a população e as entidades em geral sobre o fato de a internet não ser composta por computadores, mas por pessoas.

Julia Simões/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.