Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Warning: Undefined variable $ad_format in /var/www/vhosts/jornaluniao.com.br/httpdocs/widget_pub_2021.php on line 15

Fenae chama atenção para a importância do fundo no impulso do crescimento econômico sustentável, com investimento em moradia e saneamento básico

O governo federal anunciou, na quarta-feira (24), novas regras para a liberação dos saques das contas ativas e inativa do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). A medida deve atingir 106 milhões de trabalhadores e os saques devem começar já em setembro. O trabalhador poderá sacar até R$ 500 de cada conta de FGTS.

A liberação do FGTS tornou-se polêmica na última semana devido ao risco que a medida provoca à geração de emprego e renda. Parte do saldo total das contas do FGTS é utilizada pelo governo para financiar linhas de crédito nas áreas de habitação, saneamento básico e infraestrutura. Do orçamento de R$ 85,5 bilhões aprovado para 2018 pelo Conselho Curador do FGTS, R$ 69,4 bilhões foram destinados para a área de habitação.

Para o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Jair Pedro Ferreira, as regras sobre a liberação dos saques são soluções paliativas e sem sustentabilidade para enfrentar a crise de falta de emprego e renda no país.

“As pessoas vão pegar esses recursos, em sua grande maioria, e vão pagar suas dívidas. Na nossa avaliação, esses recursos não vão girar a economia como esperado”, afirma o presidente. De fato, a maior parte dos recursos serão injetados no sistema financeiro como o pagamento de dívidas. Esse ciclo de saída do dinheiro do FGTS, que um fundo para investimento, para o mercado financeiro não beneficia o trabalhador. Pelo contrário: a longo prazo, prejudica.

Além disso, segundo Jair Pedro, a construção civil, que é o grande setor empregador no Brasil, sofrerá o maior impacto. Nos últimos 20 anos, foram R$ 70 bilhões investidos em saneamento, além de R$ 235 bilhões em habitação nos últimos 10 anos.

 “Retirar recursos de um fundo que fomenta o desenvolvimento, a criação de empregos e ajuda a diminuir o déficit habitacional é prejudicial ao país. Hoje temos praticamente 7,7 milhões de famílias sem residência e o FGTS é um grande fundo que ajuda na construção de residências mais baratas”, completou o presidente da entidade.

As novas medidas

Em 2019, a medida do governo deve injetar R$ 28 bilhões na economia. Para 2020, outros R$ 12 bilhões serão liberados por meio da modalidade “saque aniversário” apenas das contas ativas. Atualmente, há cerca de 260 milhões de contas ativas e inativas no FGTS. Desse total, cerca de 80% têm saldo de até R$ 500.

Sobre a operação, o governo anunciou ainda que o trabalhador que tiver conta na Caixa, o depósito do valor será feito automaticamente. Para os que não tiverem conta no banco, a Caixa divulgará um cronograma. O Cartão Cidadão poderá ser utilizado para saques em caixa automático. Os saques com valores abaixo de 100 poderão ser feitos em casas lotéricas.

Asimp/Fenae

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.