Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Geral 02/10/2017  09h15

Marinha do Brasil estuda a instalação de uma agência fluvial em Londrina

Representantes de comandos do Paraná estiveram na Prefeitura para debater o projeto e a viabilidade da cessão de um imóvel

Na última sexta-feira (29), o chefe de gabinete da Prefeitura de Londrina, Bruno Ubiratan, se reuniu com o capitão de fragata Renato Ferreira Jácomo dos Santos, Comandante da Capitania Fluvial do Rio Paraná, que tem sede em Foz do Iguaçu (PR), e com o Delegado Fluvial da Marinha do Brasil em Guaíra (PR), o Capitão de Corveta José Marcos Kascharowski. Os oficiais da Marinha estão estudando a instalação de uma agência fluvial em Londrina e, para isso, buscam apoio do Município. Neste primeiro encontro foi debatida a possibilidade de cessão de um imóvel por parte da Prefeitura, onde a eventual organização militar poderia funcionar.

De acordo com o Comandante Jácomo, a existência de uma agência fluvial no município seria benéfica, pois Londrina atualmente está na área de jurisdição da delegacia fluvial de Guaíra, que fica a mais de 300 quilômetros de distância da cidade. “Dessa forma, a unidade permitiria ao cidadão realizar todos os serviços relativos a inscrições de embarcações, habilitação de condutores, seja de caráter amador, particular ou profissional, sem a necessidade de deslocamento para Guaíra”, explicou.

Por parte da Marinha do Brasil, Jácomo disse que a implantação dessa organização também facilitaria em termos de resposta a emergências que eventualmente ocorrem em acidentes de navegação, melhorando a localização e o atendimento a ocorrências nos rios Ivaí e Tibagi, por exemplo, bem como as fiscalizações de rotina. “Por isso temos o interesse de ter essa agência fluvial em Londrina. A proposta está sendo estudada, porque isso depende da disponibilidade de imóveis, e estamos procurando parcerias com outros poderes constituídos para poder viabilizar o projeto”, contou.

Para Bruno Ubiratan, seria importante ter a presença da Marinha do Brasil com uma base funcionando na cidade, uma vez que a região de Londrina hoje contempla cerca de 20 mil embarcações e uma agência poderia cuidar de todas as questões burocráticas relacionadas à prática fluvial. “Após a primeira reunião, vamos fazer um levantamento de imóveis pertencentes ao Município que poderiam ser cedidos para a Marinha, pois eles precisam de um lugar edificado para instalar essa agência. Daremos algumas opções até o final do ano e eles poderão analisar qual tipo de espaço é mais apropriado para essa finalidade”, informou.

Ubiratan disse ainda que, após isso, haverá o trâmite burocrático incluindo os envios de pedidos necessários e a mobilização de forças políticas locais para que seja possível viabilizar a vinda da agência fluvial. “É uma situação positiva para Londrina e que não irá acarretar custos à Prefeitura”, completou.

Também participaram da reunião o secretário municipal de Defesa Social, Evaristo Kuceki, o coronel Luiz Carlos Deliberador, que integra a pasta, o deputado estadual Cobra Repórter, além de integrantes da comitiva da Marinha Brasileira. 

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.