Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Confira 5 dicas para entreter as crianças sem sentir-se sobrecarregado

Brincar é uma das atividades mais importantes para o desenvolvimento infantil. É brincando que as crianças exercitam as suas capacidades emocionais, motoras e sociais, além de aprender valores como dividir brinquedos e resolver conflitos.

Entretanto, na correria do dia a dia, e em meio aos compromissos assumidos pelos adultos, muitos pais ficam aflitos, porque não conseguem suprir essa demanda dos filhos. Como dispor um tempo de qualidade para vivenciar com seus filhos o mundo das brincadeiras?

O brincar que a família oferece em casa é um espaço de muita aprendizagem, é uma ação que potencializa o desenvolvimento da criança e amplia conhecimentos. Nesses momentos as crianças têm oportunidades de se comunicar e de transformar as brincadeiras, modificando o sentido dos objetos, criando novas formas de brincar e, consequentemente, novas formas de aprender. Estas são as chamadas “culturas da infância”, por meio das quais elas se desenvolvem como sujeitos que têm direito a conviver, participar, brincar, explorar, expressar-se e conhecer-se.

Para Sibele Guimarães, coordenadora da Educação Infantil do Colégio Marista Paranaense, é necessário que esses pais encontrem uma forma de se conectarem com os pequenos de um jeito prazeroso para eles. “É por meio da brincadeira que pais e filhos se conectam, por meio da diversão proporcionada nesse momento os adultos têm a oportunidade de saber mais sobre como seus filhos enxergam o mundo e se colocam nele”, conta.

Por meio da brincadeira as crianças constroem sentidos e significados, se apropriam da cultura em que estão inseridas. Relembrar as brincadeiras da nossa infância ajuda a fazer parte da brincadeira de nossas crianças. Encontrar o equilíbrio nesse momento traz benefícios para ambos já que “ brincar é também uma forma de fortalecer os laços de carinho, confiança e proximidade entre a família. Na construção dessa parceria o diálogo é facilitado e permite que, por meio da ludicidade a criança se expresse e construa o seu modo de ser”, conclui a pedagoga.

Confira a seguir 5 dicas para divertir seus filhos sem sentir-se esgotado

1 - Deixe a criança ser a sua guia

As crianças, como todos nós, gostam muito de falar sobre as coisas pelas quais se interessam. Fazer perguntas sobre o universo em que se situa o seu videogame favorito ou deixar que elas expliquem a brincadeira que as deixa felizes, envolve uma mudança da dinâmica cotidiana em que os pais explicam as coisas e elas ouvem. Mostre-se interessado e aproveite o momento para ver como ela se expressa e articula suas ideias.

2 - Saiba estabelecer seus limites

É importante que seu filho entenda que você não pode abandonar suas tarefas diárias sempre que ele quiser a sua companhia para uma brincadeira. Vocês podem estabelecer uma rotina, como um momento para brincar depois do fim do seu expediente no trabalho, ou a noite dos jogos no sábado, por exemplo. Vivenciar a expectativa de um momento prazeroso será importante para a criança.

3 - Tentem achar um meio-termo

Se não se sente à vontade em brincadeiras em que precisa representar papéis sociais, como casinha ou médico, ou então não gosta para os efeitos sonoros dos videogames, vocês podem tentar encontrar atividades que deixem ambos os lados satisfeitos. Pode ser um jogo de tabuleiro, atividades manuais artísticas ou algo mais agitado, como danças e esportes.

4 - Revezem-se para escolher a brincadeira

Esse é um bom jeito de ensinar a criança que os relacionamentos interpessoais são construídos sobre trocas. Ceder faz parte do convívio social, nem sempre a família vai estar disposta a embarcar na mesma brincadeira que ela e saber lidar com isso a deixará mais preparada para resolver esse tipo de impasse em outros ambientes de socialização.

5 - Cuide de si

Se você estiver muito cansado ou esgotado do trabalho, pode ser que aquele momento de brincar não seja uma boa experiência para nenhum dos dois. Procure tirar tempo para cuidar de sua saúde física e mental e peça ajuda para as atividades da casa. Explique isso à criança, quando a sua relação é de parceria e confiança ela irá entender que valerá a pena esperar e que, mais tarde, vocês terão momentos especiais juntos.

Luiza Lafuente Woellner dos Santos /Asimp/Colégios Maristas

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.