Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Warning: Undefined variable $ad_format in /var/www/vhosts/jornaluniao.com.br/httpdocs/widget_pub_2021.php on line 15

Membros e servidores da Advocacia-Geral da União (AGU) estão reunidos para debater a nova Previdência em um curso promovido pela Escola da AGU. O evento, que teve início hoje (14/10), contará com mais três encontros e acontece paralelamente às discussões do Senado Federal sobre o texto do Projeto de Emenda Constitucional 6/2019 - que está previsto para ser votado em 2º turno no dia 22 de outubro.

O curso “Reforma da Previdência – fundamentos do direito previdenciário” tem como objetivo debater o novo texto sobre a Previdência e o impacto da nova legislação. 

“Desde o início da tramitação da PEC, nós já havíamos vislumbrado que fatalmente o nível de judicialização em matéria previdenciária iria crescer. Isso já foi observado nas reformas de 1998/199, 2003 e 2005 e não seria diferente dessa vez”, afirmou o procurador-geral federal, Leonardo Fernandes, durante evento de abertura do curso.

Para ele, no entanto, o contexto atual para resposta às ações judiciais é diferente. Leonardo lembrou que, já em março de 2019, foi criada uma força-tarefa no âmbito da AGU para monitorar eventuais ações que contestariam a proposta apresentada pelo governo federal. “Dessa vez tem uma diferença: estamos mais articulados. Então a própria criação da força-tarefa, o nível de articulação e diálogo interinstitucional está funcionando em prol da emenda. Temos esse diferencial para fazer o enfrentamento das futuras ações judiciais”, afirmou.

“A preocupação da AGU é desempenhar a sua atribuição para assegurar que o Estado brasileiro possa se reequilibrar fiscalmente e possa ter condições de voltar a ser fiscalmente sustentável”, afirmou o adjunto do advogado-geral da União,

Fabricio da Soller.  “Sabemos que a despesa obrigatória tem crescido em ritmo superior, notadamente a previdenciária, e isso tem impulsionado o crescimento da dívida pública em relação ao Produto Interno Bruto, o que retira a confiança dos investidores privados, impede o investimento público e que o Estado brasileiro bem desemprenhe suas tarefas. E é esse o nosso desafio e onde encontramos o nosso propósito”, concluiu o adjunto.

“Estamos alinhados e antecipando problemas judiciais, em contato com presidente do Supremo Tribunal Federal para que possamos, juntos com eles, criarmos legislações específicas que evitem a judicialização. Isso só é possível por conta da credibilidade dos colegas que estão enfrentando os temas e a gente só consegue chegar a esse ponto com muito trabalho e especialmente com capacitação”, avaliou o secretário especial adjunto da Previdência e Trabalho, Bruno Bianco Leal, que também esteve presente na abertura do curso. “Nossa atuação não é mais reticente, não é focada em negar benefício. Ao contrário, queremos antecipar problemas para conceder benefício para quem tem direito e negar para aquele que não tem direito”, ponderou.

O curso

O curso será ministrado pelo procurador federal Frederico Amado, estudioso da Previdência e do novo texto. “A reforma é bem complexa. Primeiro passo [do curso] é explicar as novas regras permanentes e as regras de transição. O segundo é avaliar o impacto da legislação infraconstitucional. Estamos descobrindo a reforma e vamos dar os primeiros passos. Depois vamos precisar de algumas leis de regulamentação”, explicou.

Ascom/Advocacia-Geral da União (AGU)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.