Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Geral 02/06/2017  09h26

Município realiza IX Conferência de Políticas para as Mulheres

Objetivo é discutir e aprovar as propostas que irão compor o Plano Municipal de Políticas para as Mulheres para os próximos quatro anos

A prefeitura de Londrina, por meio do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, realiza, hoje (2) e sábado (3), a IX Conferência Municipal de Políticas para as Mulheres, com o tema “Cidadania, autonomia e empoderamento para as mulheres”. A solenidade de abertura acontecerá às 19 horas, com a presença da secretária da pasta, Nádia Oliveira de Moura, e de diversas autoridades da área.

O evento será realizado no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Valéria Veronesi, que fica na Benjamin Constant, 800, centro. No primeiro dia a conferência acontecerá das 18 às 22 horas e, no segundo dia, será das 8 às 17 horas. Qualquer pessoa poderá participar como observador, mediante inscrição que será feita no início das atividades.

A diretora de Articulação de Políticas Públicas da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres, Nanci Kemmer, explicou que o objetivo da conferência é discutir e aprovar as diretrizes das políticas públicas da área para a formulação do Plano Municipal de Políticas para as Mulheres para os próximos quatro anos. “Serão discutidas as ações ligadas ao enfrentamento à violência contra a mulher, além das voltadas para o empoderamento da mulher, sob o ponto de vista econômico, de formação e colocação no mercado de trabalho”, apontou.

Além do pronunciamento de autoridades, a abertura contará com a participação do Coral Solidariedade Sempre, que fará uma apresentação musical. Depois, os presentes acompanharão uma palestra com a advogada de Curitiba Sandra Lia Bazzo, presidente da Comissão de Estudo Sobre Violência de Gênero da OAB-PR. Ela deverá abordar como as políticas públicas podem contribuir, efetivamente, para a garantia dos direitos da mulher e promoção de melhorias das condições de vida deste público.

No sábado, os grupos de trabalho farão as discussões das propostas apresentadas e haverá a eleição dos membros da sociedade civil organizada que irão compor o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, gestão 2017-2021. Ao todo o conselho será composto por 32 membros e seus respectivos suplentes, sendo 16 do poder público e 16 da sociedade civil organizada. Os conselheiros do poder público já foram indicados pelos secretários das pastas e eles serão apresentados durante a conferência.

Da área não governamental, podem ter uma cadeira no conselho representantes de Associações ou conselhos profissionais; entidades de ensino superior, públicas ou privadas; organizações comunitárias femininas; organizações de mulheres do campo; organizações de povos ou comunidades indígenas; organizações dos movimentos de mulheres; organizações dos movimentos de mulheres negras; organizações dos movimentos feministas; organizações dos movimentos de mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais; organizações do Movimento Estudantil; organizações representativas das pessoas com deficiência e sindicatos de trabalhadores com base territorial no Município.

Pré-conferências – Durante o mês de maio foram realizadas seis pré-conferências, em todas as regiões da cidade, para obter propostas que serão debatidas durante a IX Conferência Municipal de Políticas para as Mulheres. As pré-conferências foram abertas para toda a comunidade, em especial mulheres, lideranças e representantes de grupos femininos, associações de mulheres e organizações feministas.

O objetivo foi receber as demandas da comunidade feminina de cada território, para serem levadas à Conferência Municipal, onde serão debatidas e votadas. Segundo a gestora social da Secretaria Municipal de Políticas paras as Mulheres e integrante da Comissão Organizadora das pré-conferências, Elaine Galvão, o resultado das reuniões foi muito positivo, pois houve a participação de diversos segmentos da sociedade civil e organizações comunitárias de diversas regiões da cidade.

Segundo Elaine, dentre as sugestões, destaca-se a oferta de mais espaços de cultura e lazer que possibilitem o acesso às mulheres, melhorias na assistência à saúde da mulher, além de questões ligadas ao transporte e iluminação públicos. “Houve uma diversidade de propostas, tanto demandas gerais da área, como o enfrentamento à violência contra a mulher e políticas públicas que possibilitem a inserção das mesmas no mercado de trabalho, quanto demandas locais da comunidade, o que demonstra a necessidade de melhoria das ações voltadas às mulheres nos bairros”, informou.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.