Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

É próprio do namoro experimentar o arrebatamento da paixão. Afinal, normalmente é ela que aproxima o casal. É a paixão que provoca o desejo de estar sempre perto, que faz o coração disparar ao pensar no outro, que leva o amante a perder-se eu sua imaginação, criando na mente as mais variadas situações em que consegue conquistar o ser amado. No namoro, a paixão é o combustível que dá disposição para grandes feitos românticos em favor do outro, assim como é ela que motiva as declarações de amor eterno – há às vezes até uma competição para ver quem consegue ser mais exagerado em sua demonstração de amor. Num relacionamento que se encaminha para o casamento, a paixão é desejável, pois a sua chama trata de manter as almas aquecidas no percurso que o casal percorrerá até amadurecer sua decisão de compartilharem juntos uma vida. Sem a paixão, algumas descobertas duras a respeito do outro – duras, mas inevitáveis e igualmente desejáveis – poderiam desanimar e afastar os corações, pondo fim de forma prematura ao relacionamento.

Ainda que desejável, a paixão por si só não é suficiente para sustentar um namoro, quanto mais um casamento. É que a paixão se baseia nos sentimentos, e estes mudam ao sabor dos ventos – algumas vezes favoráveis, outras nem tanto – da vida. Um namoro ancorado na paixão – ou no “amor romântico”, como muitos chamam – tende a ser um relacionamento marcado por sentimentos fortes e muitas vezes opostos: grandes momentos de alegria e júbilo e brigas homéricas; juras de amor eterno e raiva (ou tristeza, dependendo do temperamento) quase mortal diante de uma frustração; certeza de que é para sempre agora e certeza de que não vai dar certo daqui a cinco minutos.

Amor e paixão são a mesma coisa?

Há pessoas que julgam ser capazes de amar muito só porque têm grandes sentimentos. O Papa Francisco nos ensina na Amoris Laetitia1 que isso é uma grande mentira: “Julgar que somos bons só porque ‘provamos sentimentos’ é um tremendo engano”. De nada adianta, nos ensina o Papa, termos todo esse sentimento em nós se não conseguimos lutar pela felicidade dos outros e vivemos confinados nos nossos próprios desejos.

Todo casal de namorados deve entender o que diz Denis de Rougemont2: “Estar apaixonado não é necessariamente amar. Estar apaixonado é um estado; amar é um ato. Sofre-se um estado, mas decide-se um ato”. Dessa afirmação depreende-se que é possível estar apaixonado sem amar. Num namoro assim, isso significa que quando os ventos mudarem e os sentimentos forem para outra direção, aquele que não mais se sente apaixonado porá fim ao relacionamento. Pois, uma vez que o “estar apaixonado” passa, o que sobra? Num relacionamento em que há o amor, este permanece. Porque o amor, diz o autor, é um ato, uma decisão que independe do meu estado e do meu sentimento agora ou ontem ou amanhã.

Após alguns anos de casamento, é possível perceber claramente que muitos dos nossos mais meritórios atos de amor pelo nosso cônjuge não são motivados pelos sentimentos, mas apesar deles. Há quem, durante o namoro, ande uma hora para colher uma flor para a amada movido apenas pela expectativa do beijo que receberá como recompensa ou do sorriso emocionado que provocará nela. No casamento, o desafio muitas vezes será levar essa mesma flor ainda que você esteja com raiva ou decepcionado com a esposa por ela ter sido injusta com você. Ou o desafio será calar-se quando os seus sentimentos dizem “grite!”, “reaja!”, “não suporte isso”. Outras vezes, o desafio será dar o primeiro passo e abraçar o cônjuge após uma discussão, para dar início à reconciliação, dizendo-lhe “eu te amo”, mesmo que a vontade seja afastar-se, brigar ou dizer “verdades cruéis” que só machucarão o outro.

Decisão diária

Não é que o namoro seja um sonho, um parque de diversões, e o casamento seja um pesadelo, uma provação sem fim. Definitivamente não. É que o casamento é, pode-se dizer, a vida real. Por maior que seja a transparência com que se viva no namoro, está sempre presente um esforço para dar o melhor para o outro, para mostrar sua melhor face. No casamento, é impossível manter isso o tempo todo. Você mostrará suas misérias e seu cônjuge também. Se um relacionamento está baseado na paixão ou no amor romântico, encarar essas misérias mútuas costuma ser fatal.

Por isso, a necessidade de lembrar que o amor – aquele declarado no altar, diante de Deus – é uma decisão que deve ser renovada todos os dias. O Papa Emérito Bento XVI aconselhou jovens namorados a trilhar um caminho de amadurecimento: “a partir da atração inicial e do ‘sentir-se bem’ com o outro, educai-vos a ‘amar’ o outro, a ‘querer o bem’ do outro. O amor vive de gratuidade, de sacrifício de si, de perdão e de respeito do outro”3. Não se pode parar na paixão. O amor conjugal, nos ensina o Papa Francisco, “é uma ‘união afetiva’, espiritual e oblativa, mas que reúne em si a ternura da amizade e a paixão erótica, embora seja capaz de subsistir mesmo quando os sentimentos e a paixão enfraquecem”4.

Qual a qualidade do seu alicerce para um relacionamento?

No casamento, cônjuges que experimentam a verdadeira partilha e a transparência vão ferir um ao outro ao se deixar conhecer, por mais que se esforcem para não o fazer. Faz parte do processo de conhecimento. Deve ser parte desse processo também a consciência de que os sentimentos que tiverem ao longo dessas descobertas dolorosas não determinam o amor entre eles. Para viver isso no matrimônio, entretanto, é necessário que o casal busque uma experiência profunda e autêntica com Deus. Só assim os cônjuges conseguirão decidir-se pelo amor quando precisarem ser pacientes e bondosos; só decidindo-se pelo amor conseguirão não ser invejosos, nem orgulhosos, nem arrogantes, nem escandalosos; não buscarão os seus próprios interesses, não se irritarão, não guardarão rancor, nem se alegrarão com a injustiça. Só sustentado por Deus um cônjuge vai olhar para o outro e decidir tudo desculpar, tudo crer, tudo esperar, tudo suportar.

A paixão pode acabar, mas o amor, nos ensina São Paulo, jamais acabará. Amparado nessa palavra, você pode hoje olhar para a sua vida e refletir qual a qualidade do alicerce que você tem preparado para o seu relacionamento: são os vistosos, mas frágeis fundamentos da paixão ou a discreta, mas sólida e confiável estrutura do amor? Confiantes em Deus, sabemos que ainda é tempo de mudar quaisquer inadequações estruturais que o nosso relacionamento possa ter. Basta nos decidirmos, nas pequenas e nas grandes coisas, pelo amor.

Referências:

1 PAPA FRANCISCO. Amoris Laetitia, 145.

2 ROUGEMONT, DENIS DE. O amor e o ocidente.

3 PAPA BENTO XVI. Encontro com os Namorados, Ancona, 11 de Setembro de 2011.

4 PAPA FRANCISCO. Amoris Laetitia, 120.

José Leonardo Ribeiro Nascimento é casado, pai de quatro filhos e membro do segundo elo da Comunidade Canção Nova desde 2007. Natural de Paripiranga (BA), cursou Ciências Contábeis na Universidade Federal de Sergipe e fez pós-graduação em economia por meio do Minerva Program, na George Washington University, nos Estados Unidos. Trabalha, há 18 anos, como Auditor Federal na Controladoria-Geral da União em Aracaju (SE). Ele e sua esposa trabalham, há muitos anos, com a evangelização de casais e de famílias, coordenando grupos e pregando em retiros e encontros. Instagram: @leonardonascimentocn | Facebook: @leonardonascimentocn

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.