Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O prédio é, atualmente, a sede do governo estadual do Rio de Janeiro

A Advocacia-Geral da União (AGU) confirmou, no Supremo Tribunal Federal (STF), que o Palácio Guanabara é patrimônio público. A vitória foi garantida em recurso proposto pela antiga família imperial contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), de 2018, que havia reconhecido o palácio como propriedade do Rio de Janeiro, em ação movida contra o estado e a União.

Acompanhando o voto da relatora do pedido, ministra Rosa Weber, a maioria da 1ª Turma do STF entendeu que o julgamento do STJ não ofendeu os preceitos constitucionais e decidiu rejeitar o agravo interno apresentado pelos herdeiros da família imperial. O processo teve trânsito em julgado ocorrido no último dia 28.

A disputa judicial tem origem em uma ação proposta pela princesa Isabel de Orleans e Bragança. A família reivindicava o pagamento de indenização após a Proclamação da República, em 1889, já que teria havido um confisco da propriedade por parte do Estado. O prédio é a sede do governo estadual do Rio de Janeiro.

De acordo com Izabel Vinchon, secretária-geral de Contencioso da AGU, o julgamento do Supremo é importante por manter a decisão da 4ª Turma do STJ na íntegra. Segundo ela, o STF considerou não haver discussão constitucional no caso. “Trata-se de relevante precedente que encerra controvérsia patrimonial centenária. A partir deste julgamento do STF, é definitivo o entendimento expressado pelo STJ que negou provimento aos recursos dos herdeiros, e por consequência manteve o Palácio Guanabara no patrimônio público”.

A ministra Rosa Weber conheceu o recurso apresentado pelos advogados da família imperial, mas entendeu que não foram trazidos fundamentos que justificassem a mudança do entendimento anterior. “Não prospera a insurgência pelo prisma dos incisos XXXVI, LIV e LV do art. 5º da Carta Política, consagradores dos princípios da proteção ao direito adquirido, ao ato jurídico perfeito e à coisa julgada, bem como ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa”, escreveu a ministra, em seu voto.

A decisão do Superior Tribunal de Justiça já havia considerado que as obrigações do Estado com a família real foram revogadas a partir de 1889. “O Palácio Guanabara, adquirido com recursos do Tesouro Nacional destinava-se exclusivamente à habitação do Conde e da Condessa d'Eu por força de obrigação legal do Estado vinculada à monarquia e ao alto decoro do trono nacional e da família imperial. Com a proclamação e a institucionalização da República, as circunstâncias fundamentais que justificavam a manutenção da posse do palácio deixaram de existir, tendo em vista que foram extintos os privilégios de nascimento, os foros de nobreza, as ordens honoríficas, as regalias e os títulos nobiliárquicos”, diz trecho da decisão do STJ.

Ascom/Advocacia-Geral da União (AGU)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.