Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Formação e vida dos presbíteros são temas constantes nos documentos e discursos do Papa; padres revelam como vida sacerdotal do Pontífice os inspira

Ocupando há seis anos a Cátedra de Pedro, o padre jesuíta de origem argentina, hábitos simples e predileção pelos pobres completou, ontem, 13, 50 anos de sacerdócio. Ordenado pelas mãos de Dom Ramón José Castellano, Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, demonstra, desde o início de seu pontificado, preocupação e cuidado com a vida sacerdotal do clero.

Por meio de documentos, audiências, visitas, viagens, discursos, mensagens e homilias, o Santo Padre anima o ministério e orienta a vida dos presbíteros católicos e dos vocacionados. Sobre o sacerdócio, em 2014, o Pontífice alertou para a falsa visão de quem o considera uma profissão. “Isso não faz bem à Igreja. Estejam atentos a não cair nisso!”, frisou na época. No mesmo ano, o Papa chamou atenção dos presbíteros para o acolhimento, característica que deve ser encontrada no sacerdócio.

Também em 2014, durante encontro com sacerdotes da Diocese de Cassano, no sul da Itália, Francisco compartilhou a alegria de ser padre: “Uma surpresa sempre nova de ter sido chamado pelo Senhor Jesus a segui-Lo, estar com Ele, ir com os outros levando Ele, sua palavra e seu perdão…”. Aos sacerdotes, o Santo Padre pediu a vivência da ‘beleza da fraternidade’ e alertou para a cultura do egocentrismo e do individualismo pastoral que assola muitas dioceses.

Arte: Julia Beck – Canção Nova

“Apóstolos da alegria” é o que devem ser os sacerdotes, de acordo com o Santo Padre. O Pontífice alertou que não é normal que um padre seja frequentemente triste, nervoso ou duro de caráter. “Não está bem e não faz bem, nem ao padre, nem a seu povo. Nós, sacerdotes, somos apóstolos da alegria, anunciamos o Evangelho, a ‘boa nova’”.

Em 2015, Francisco afirmou que um padre jamais pode perder suas raízes ou esquecer onde Cristo o chamou. Aos formadores, presentes nos seminários, o Pontífice destacou que nunca podem esquecer que cada padre tem uma história pessoal que deve ser considerada na hora da formação. “Ele [presbítero] é um homem do povo e da cultura que o geraram”, afirmou. De acordo com o Santo Padre, as raízes ajudam os sacerdotes a recordarem quem são e onde Cristo os chamou.

Arte: Julia Beck – Canção Nova

A relação com Cristo é construída por meio da oração e o fruto mais maduro desta prática é sempre a caridade, sublinhou o Papa aos seminaristas. Em 2016, o Pontífice afirmou que é importante que os futuros sacerdotes entendam que pertencer a Cristo significa ir ao encontro dos excluídos e marginalizados, experimentar a beleza da fraternidade, e ser canal do amor de Deus com humildade e inteligência. “Não é importante a quantidade das vocações sacerdotais, mas a sua qualidade e formação”, reforçou.

A juventude e o presbítero

O entusiasmo dos primeiros projetos e a ânsia das fatigas apostólicas dos jovens padres também já foi tema do discurso do Santo Padre durante plenária, em 2017, da Congregação para o Clero, do Vaticano. Na ocasião, Francisco afirmou que Deus olha os novos presbíteros com a ternura de Pai e não deixa os seus passos vacilar.

“Aos olhos de Deus vocês são importantes e Ele sabe que estão à altura da missão à qual os chamou. Como é importante que os sacerdotes jovens encontrem párocos e bispos que os incentivem nesta perspectiva e não somente os esperem porque é preciso mudar e preencher os lugares vazios!”, afirmou.

Arte: Julia Beck – Canção Nova

A formação sacerdotal fez parte do discurso do Papa aos participantes do Congresso Internacional de 2017, promovido pela Congregação para o Clero. Na ocasião, o Pontífice afirmou: “A formação é determinante para a missão da Igreja; a renovação da fé e o futuro das vocações só será possível se tivermos padres bem formados”.

“Que tipo de padre quero ser? Um padre tranquilo e assegurado em suas comodidades ou um discípulo missionário, que trabalha pelo Mestre e pelo Povo de Deus? Um padre cômodo em seu bem-estar ou um discípulo a caminho?”, questionou.

Vida em comunidade

“O Senhor nos chamou para viver em comunidade, de modo que esta caridade possa congregar todos os sacerdotes com um vínculo especial no ministério e na fraternidade. Para que isto seja possível, devemos contar com a ajuda do Espírito, com o combate ao individualismo, mas mediante a unidade na diversidade”, alertou o Pontífice durante audiência no Vaticano, também em 2017.

Em seu discurso, o Papa impulsionou os presbíteros a nunca se contentarem em ter uma vida organizada e cômoda, mas a manterem uma adequada relação com o mundo e com os bens terrenos, renunciando às coisas supérfluas, mediante a confiança na Providência Divina, para estar cada vez mais próximos dos pobres e dos frágeis.

Arte: Julia Beck – Canção Nova

Segundo o Santo Padre, a vida do sacerdote deve ser alimento para o povo de Deus, assim como sua doutrina, alegria e apoio aos fiéis de Cristo. “Que com a palavra e o exemplo vocês possam construir a Casa de Deus que é a Igreja”, exortou Francisco em abril de 2018, durante a ordenação de 16 novos presbíteros no Vaticano.

Em seu discurso, o Papa pediu: “Por favor, não se cansem de serem misericordiosos. Pensem em seus pecados, suas misérias que Jesus perdoa. Seja misericordioso. Tenham diante de seus olhos o exemplo do Bom Pastor, que não veio para ser servido, mas para servir e buscar salvar o que foi perdido”.

O dom do presbítero

Neste ano, durante abertura do Sínodo para a Amazônia, em outubro passado, o Pontífice convidou os sacerdotes a refletirem sobre seus os dons. “Um dom não se compra, não se troca nem se vende: recebe-se e dá-se de prenda. Se nos apropriarmos dele, se nos colocarmos a nós no centro e não deixarmos no centro o dom, passamos de pastores a funcionários: fazemos do dom uma função, e desaparece a gratuidade; assim, acabamos por servir a nós mesmos, servindo-nos da Igreja”

De acordo com o Santo Padre, São Paulo reafirma que o dom deve ser reaceso. “O verbo usado é fascinante: reacender é, literalmente, ‘dar vida a uma fogueira’”, explicou. “O dom que recebemos é um fogo, é amor ardente a Deus e aos irmãos. O fogo não se alimenta sozinho; morre se não for mantido vivo, apaga-se se a cinza o cobrir”.

O sacerdócio do Papa como inspiração

A ordenação sacerdotal é um dos dias mais importantes da vida de um presbítero. Com 26 anos de sacerdócio, o pároco da Paróquia do Senhor Bom Jesus na cidade de Cruzeiro (SP), padre Murilo Sérgio Pereira, afirma: “É um sentimento misto de que na nossa pobreza estamos sendo revestidos da grandeza de um dom de Deus: o sacerdócio”.

Padre Sílvio César da Silva, salesiano de Dom Bosco e pároco da Paróquia Santa Teresinha de São Paulo (SP), revelou: “Depois do discernimento e de um longo tempo de estudos, preparação e questionamentos, é o dia mais desejado e emocionante. É maravilhoso ser padre!”. O salesiano completará 19 anos de vida sacerdotal em 2020.

“O dia da ordenação sacerdotal na vida de todo padre exerce um valor sagrado. Não é um dia comum, porém, é o dia que o ‘padre ordenando’ celebra a alegria da resposta que dá ao chamado de Deus na sua vida”, foi o que afirmou padre Mateus Ribeiro, vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora da Conceição na cidade de Cunha (SP). O sacerdote foi ordenado há 7 meses.

Sobre o dia que recebeu o sacramento da ordem, o presbítero recém-ordenado contou: “É o dia que ficará para sempre guardado na minha memória e no meu coração toda a forma de gratidão ao Senhor que me convidou para depositar a minha confiança n’Ele e pelo seu povo”.

Ordenado no mesmo dia que padre Matheus Ribeiro, padre Rafael Beck, vigário da Paróquia Nossa Senhora da Piedade em Lorena (SP), afirma que receber o sacramento da ordem é  como um aniversário, dia de agradecer a Deus pelo dom da vocação. “Precisamos sempre lembrar daquele dia, quando dissemos ‘Sim’ cheios de esperança, e cultivar essa ‘chama’, de querer fazer a diferença sendo sinal da graça para os irmãos”, completou.

Apesar de contabilizarem tempos diferentes de sacerdócio e viverem em cidades e realidades diferentes, padre Murilo, padre Sílvio, padre Mateus e padre Rafael compartilham, além do ministério, a admiração pela vida pastoral do Papa Francisco. Confira os depoimentos dos sacerdotes sobre o ministério sacerdotal do Santo Padre:

Arte: Julia Beck – Canção Nova

Julia Beck/Canção Nova

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.