Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Francisco falou a jovens casais sobre valor do sacramento do matrimônio e a transmissão da fé na família, além da importância de ouvir os idosos

Papa Francisco visitou a Pró-Catedral de Santa Maria em Dublin, na Irlanda, neste sábado, 25. No local, o Pontífice se deteve em um momento de oração às vítimas dos abusos no país, conforme destacou em seu primeiro discurso, referindo-se a eles como um crime repugnante.

Após o momento de oração, Francisco ouviu o testemunho do casal de avós, Vincent e Teresa, que falaram da sua experiência de cinquenta anos de matrimônio e de vida familiar.

Em seu discurso, Francisco agradeceu o testemunho do casal idoso, e destacou a importância de ouvir os idosos, e falando espontaneamente afirmou: “Os mais velhos têm a sabedoria, também as sogras têm a sabedoria. E as crianças devem escutar a sabedoria. Vocês jovens devem escutar a sabedoria e falar com eles, porque eles são a raiz, e vocês pegam a raiz e levam para frente”.

Acesse
.: Discurso oficial do Papa Francisco aos casais

Em seguida, perguntou ao casal se eles brigaram muito, e afirmou que isso faz parte do matrimônio, senão seria “tedioso”. “Podem voar os pratos, mas o segredo é fazer as pazes antes de termine o dia. E para fazer as pazes não é necessário um discurso, basta um carinho e a paz é feita, porque se não se faz a paz antes de dormir, a guerra fria do dia seguinte é perigosa. Começa o rancor. Brigue tudo o que quiserem, mas de noite façam as pazes”.

Sacramento do matrimônio

O Santo Padre também foi questionado por dois casais jovens. A primeira pergunta foi sobre como falar aos amigos sobre o valor do sacramento do matrimônio e a segunda, de recém-casados, sobre como se preparar para transmitir o conteúdo da fé aos filhos.

Respondendo às perguntas dos jovens casais, Francisco disse que o matrimônio não é uma simples instituição, mas uma vocação. “Uma decisão consciente e para toda a vida de ocupar-se, ajudar-se e proteger-se mutuamente”, enfatizou.

O Papa falou que as pessoas estão desacostumadas a algo que dure para sempre, porque tudo o que está à sua volta muda, pessoas saem e entram em nossas vidas, fazem promessas que muitas vezes são quebradas.

“Se o amor não cresce com amor, dura pouco. ‘Por toda a vida’ é um compromisso de fazer crescer o amor, porque no amor não existe o provisório. O amor é assim, tudo por toda a vida”.

Francisco afirmou que, dentre todas as formas da fecundidade humana, o matrimônio é único. “É um amor que dá origem a uma nova vida. Implica a responsabilidade mútua na transmissão do dom divino da vida e oferece um ambiente estável no qual a nova vida pode crescer e florescer. O matrimônio na Igreja, isto é, o sacramento do matrimônio, participa de modo especial no mistério do amor eterno de Deus”.

O Santo Padre destacou que o amor é o sonho de Deus para o ser humano e para a família humana inteira.

“Deus tem um sonho para nós, e pede-nos para o assumirmos. Não tenhais medo deste sonho! Guardai-o e, juntos, sonhai-o de novo todos os dias. Assim sereis capazes de vos apoiar mutuamente com esperança, com força e com o perdão, nos momentos em que o percurso se fizer árduo tornando-se difícil vislumbrar o caminho”, explicou.

Transmissão da fé na família

Quanto à segunda pergunta, Francisco destacou que o primeiro lugar para transmitir a fé é o lar, através do exemplo calmo e diário de pais que amam o Senhor e confiam na sua palavra.

“Na ‘igreja doméstica’, os filhos aprendem o significado da fidelidade, da honestidade e do sacrifício. Veem como a mãe e o pai se comportam entre si, como cuidam um do outro e de todos, como amam a Deus e à Igreja. Assim os filhos podem respirar o ar fresco do Evangelho e aprender a compreender, julgar e agir de maneira digna da fé que herdaram. A fé é transmitida ao redor da mesa doméstica, na conversa comum, através da linguagem que só o amor perseverante sabe falar”.

E como exemplos concretos, o Papa indicou a oração em família, falar de coisas boas e santas, deixar a Virgem Maria fazer parte da vida familiar, celebrar as festividades cristãs, viver em solidariedade com os que sofrem.

“Quando fazeis isto acompanhados pelos vossos filhos, os corações deles pouco a pouco enchem-se de amor generoso pelos outros. Pode parecer óbvio, mas às vezes esquecemo-nos disto: os vossos filhos aprenderão como partilhar os bens da terra com cada um, se virem como os seus pais estão atentos a quem é mais pobre ou menos afortunado do que eles. Em suma, os vossos filhos aprenderão de vós a viver como cristãos; sereis os seus primeiros mestres na fé”, destacou.

Após o encontro com os casais na Catedral de Dublin, Francisco visitará o centro de acolhimento dos padre capuchinhos, em seguida, visitará um centro para famílias sem-casa. Mais tarde, às 15h45 (horário de Brasilia), Francisco participará da Festa das Famílias, dentro da programação do 9º Encontro Mundial das Famílias.

Canção Nova/com Boletim da Santa Sé

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.