Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Francisco falou a jovens casais sobre valor do sacramento do matrimônio e a transmissão da fé na família, além da importância de ouvir os idosos

Papa Francisco visitou a Pró-Catedral de Santa Maria em Dublin, na Irlanda, neste sábado, 25. No local, o Pontífice se deteve em um momento de oração às vítimas dos abusos no país, conforme destacou em seu primeiro discurso, referindo-se a eles como um crime repugnante.

Após o momento de oração, Francisco ouviu o testemunho do casal de avós, Vincent e Teresa, que falaram da sua experiência de cinquenta anos de matrimônio e de vida familiar.

Em seu discurso, Francisco agradeceu o testemunho do casal idoso, e destacou a importância de ouvir os idosos, e falando espontaneamente afirmou: “Os mais velhos têm a sabedoria, também as sogras têm a sabedoria. E as crianças devem escutar a sabedoria. Vocês jovens devem escutar a sabedoria e falar com eles, porque eles são a raiz, e vocês pegam a raiz e levam para frente”.

Acesse
.: Discurso oficial do Papa Francisco aos casais

Em seguida, perguntou ao casal se eles brigaram muito, e afirmou que isso faz parte do matrimônio, senão seria “tedioso”. “Podem voar os pratos, mas o segredo é fazer as pazes antes de termine o dia. E para fazer as pazes não é necessário um discurso, basta um carinho e a paz é feita, porque se não se faz a paz antes de dormir, a guerra fria do dia seguinte é perigosa. Começa o rancor. Brigue tudo o que quiserem, mas de noite façam as pazes”.

Sacramento do matrimônio

O Santo Padre também foi questionado por dois casais jovens. A primeira pergunta foi sobre como falar aos amigos sobre o valor do sacramento do matrimônio e a segunda, de recém-casados, sobre como se preparar para transmitir o conteúdo da fé aos filhos.

Respondendo às perguntas dos jovens casais, Francisco disse que o matrimônio não é uma simples instituição, mas uma vocação. “Uma decisão consciente e para toda a vida de ocupar-se, ajudar-se e proteger-se mutuamente”, enfatizou.

O Papa falou que as pessoas estão desacostumadas a algo que dure para sempre, porque tudo o que está à sua volta muda, pessoas saem e entram em nossas vidas, fazem promessas que muitas vezes são quebradas.

“Se o amor não cresce com amor, dura pouco. ‘Por toda a vida’ é um compromisso de fazer crescer o amor, porque no amor não existe o provisório. O amor é assim, tudo por toda a vida”.

Francisco afirmou que, dentre todas as formas da fecundidade humana, o matrimônio é único. “É um amor que dá origem a uma nova vida. Implica a responsabilidade mútua na transmissão do dom divino da vida e oferece um ambiente estável no qual a nova vida pode crescer e florescer. O matrimônio na Igreja, isto é, o sacramento do matrimônio, participa de modo especial no mistério do amor eterno de Deus”.

O Santo Padre destacou que o amor é o sonho de Deus para o ser humano e para a família humana inteira.

“Deus tem um sonho para nós, e pede-nos para o assumirmos. Não tenhais medo deste sonho! Guardai-o e, juntos, sonhai-o de novo todos os dias. Assim sereis capazes de vos apoiar mutuamente com esperança, com força e com o perdão, nos momentos em que o percurso se fizer árduo tornando-se difícil vislumbrar o caminho”, explicou.

Transmissão da fé na família

Quanto à segunda pergunta, Francisco destacou que o primeiro lugar para transmitir a fé é o lar, através do exemplo calmo e diário de pais que amam o Senhor e confiam na sua palavra.

“Na ‘igreja doméstica’, os filhos aprendem o significado da fidelidade, da honestidade e do sacrifício. Veem como a mãe e o pai se comportam entre si, como cuidam um do outro e de todos, como amam a Deus e à Igreja. Assim os filhos podem respirar o ar fresco do Evangelho e aprender a compreender, julgar e agir de maneira digna da fé que herdaram. A fé é transmitida ao redor da mesa doméstica, na conversa comum, através da linguagem que só o amor perseverante sabe falar”.

E como exemplos concretos, o Papa indicou a oração em família, falar de coisas boas e santas, deixar a Virgem Maria fazer parte da vida familiar, celebrar as festividades cristãs, viver em solidariedade com os que sofrem.

“Quando fazeis isto acompanhados pelos vossos filhos, os corações deles pouco a pouco enchem-se de amor generoso pelos outros. Pode parecer óbvio, mas às vezes esquecemo-nos disto: os vossos filhos aprenderão como partilhar os bens da terra com cada um, se virem como os seus pais estão atentos a quem é mais pobre ou menos afortunado do que eles. Em suma, os vossos filhos aprenderão de vós a viver como cristãos; sereis os seus primeiros mestres na fé”, destacou.

Após o encontro com os casais na Catedral de Dublin, Francisco visitará o centro de acolhimento dos padre capuchinhos, em seguida, visitará um centro para famílias sem-casa. Mais tarde, às 15h45 (horário de Brasilia), Francisco participará da Festa das Famílias, dentro da programação do 9º Encontro Mundial das Famílias.

Canção Nova/com Boletim da Santa Sé

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios