Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Governo do Paraná assinou ontem (21) protocolo de intenções de caráter humanitário para promoção e defesa dos direitos dos migrantes, refugiados e apátridas que vivem no Estado. A assinatura aconteceu durante evento promovido pela Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos em comemoração ao Dia Mundial dos Refugiados. 

"Esse documento assinado hoje coloca em prática as garantias legais a quem chega ao Estado, como questões de visto, trabalho e educação. Temos a participação do Banco do Brasil e da Fomento Paraná para estimular a concessão de crédito aos estrangeiros. Esse protocolo é uma maneira também de facilitar a articulação entre as diversas instituições que atendem os migrantes, refugiados e apátridas", explica o secretário estadual da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos Artagão Júnior. 

De acordo com ele, o Estado vem concentrando esforços na construção e consolidação de políticas públicas voltadas a estas pessoas. Ele acrescenta que o Paraná foi pioneiro no País ao criar o Conselho Estadual dos Direitos dos Refugiados, Migrantes e Apátridas do Paraná, e o Centro de Informação voltado a este mesmo público. 

Assinaram o documento representantes do Governo do Estado, Ministério Público Federal, Ministério Público do Estado do Paraná, o Ministério Público do Trabalho, Defensoria Pública da União, Defensoria Pública do Estado do Paraná, Polícia Federal, Universidade Federal do Paraná, Banco do Brasil e a Fomento Paraná. 

PROGRAMAÇÃO - O evento conta ainda com a exposição “Novo Olhar Num Novo Lugar - Migrantes e Refugiados em Foco”. A mostra é o resultado do trabalho do fotógrafo Denis Ferreira Netto e de refugiados que vivem em Curitiba. A visitação é gratuita e pode ser feita até sexta-feira (23), das 9h30 às 17h, no Centro Estadual de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas do Paraná (Ceim), localizado na Rua Desembargador Westphalen, 15, no 13º andar (Edifício Dante Aligheri), no Centro de Curitiba. 

A programação inclui também a exibição do filme “A linguagem do Coração” dirigido por Silvana Nuti. A película de 32 minutos mostra um pouco da trajetória de migrantes e refugiados na chegada ao Brasil. O filme será exibido novamente nesta quarta-feira (21), às 19h, no mesmo local. 

UM NOVO DESTINO - Amr Houdaifa chegou ao Brasil em 11 de março de 2015. Ele deixou a Síria por causa da guerra. Aos 27 anos, formado em Jornalismo e Direito, trabalha aqui fazendo comidas típicas para vender. Antes de embarcar para o Brasil com dois irmãos, tentou viver no Líbano e trabalhou lá como jornalista, mas não conseguiu visto para ficar no país. Amr só conseguiu a permanência humanitária no Brasil. E acredita que teve sorte. "A hospitalidade aqui é linda. O brasileiro acredita que esse é um país para todos", conta ele sobre as impressões que teve ao chegar. 

Amr sonha com o futuro. Pretende fazer mestrado em Direito Internacional, pelo programa Hospitalidade, da Universidade Federal do Paraná. Mas sonho mesmo seria voltar à Síria. "Não sei se um dia a Síria vai voltar a ser o que já foi um dia, mesmo quando a guerra chegar ao fim. Mas é lá que estão meus amigos e muitos familiares. Eu saí da Síria, mas a Síria não saiu de mim", lamenta. 

Assim como Amr, 455 pessoas pediram refúgio no Paraná, apenas em 2016, segundo dados da Polícia Federal. A maioria dos pedidos vem de pessoas que querem deixar o Líbano, Haiti, Síria, Palestina, Índia, Iraque, Jordânia, Cuba, Egito, Paquistão, Turquia e Venezuela. 

Atento a essa demanda, o Governo do Estado inaugurou no ano passado o Centro de Informação para Migrantes, Refugiados e Apátridas. "Um espaço de acolhimento e direcionamento para que os estrangeiros recebam informações sobre como acessar as políticas públicas", como explica Artagão Júnior. 

DIA MUNDIAL – Em 20 de junho é comemorado o Dia Mundial do Refugiado. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2000, para conscientizar os governantes e a população mundial para o problema daqueles que são obrigados a fugir por causa de perseguições em função de raça, naturalidade, religião, grupo social ou opinião política.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.