Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Paraná é o maior produtor de madeira do País, o segundo de alimentos, de veículos, de papel e celulose e o terceiro na fabricação de móveis e no setor de impressão. Os dados são da Pesquisa Industrial Anual (PIA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) compilados pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

Ao todo, a indústria de transformação do Paraná é a quarta maior do Brasil, atrás apenas da de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Os dados tomam como base o Valor da Transformação Industrial (VTI), que foi de R$ 74,6 bilhões em 2015 (último dado disponível). O Estado foi responsável por 7,8% do Valor da Transformação Industrial (VTI) do Brasil. 

“O Paraná tem boas colocações em vários segmentos, o que mostra a diversidade da base industrial do Estado. A indústria representa cerca de 25% da economia paranaense e tem uma participação maior do que a média brasileira”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor presidente do Ipardes. 

De acordo com ele, o Paraná tem pouco mais de 5% da população brasileira, 6% do Produto Interno Bruto nacional, mas representa quase 8% no valor da transformação da indústria. “Isso demonstra o vigor do setor no Estado, com forte atuação na fabricação de alimentos, onde entra a chamada agroindústria, e veículos”, diz. 

De acordo com o levantamento, na indústria da madeira nacional, o Paraná detinha, em 2015, uma participação de 27,4%, na de móveis (15,3%), na de automóveis (14,1%), na de papel e celulose (12,6%), na de alimentos (11,2%) e na de impressão e reprodução de gravações (8,6%). 

POSIÇÃO – Considerando todos os segmentos, a indústria de alimentos é a maior do Estado, com R$ 20,65 bilhões de VTI, seguida pela indústria automotiva, com R$ 9,2 bilhões, e pela indústria de coque e derivados de petróleo, com R$ 8,34 bilhões.

Embora o faturamento geral da indústria do Estado tenha caído 4,2% em 2015 em relação ao ano anterior, fruto da crise econômica, ele ainda é 33% maior do que o de 2010 (R$ 56,18 bilhões). Entre 2015 e 2014, os maiores crescimentos vieram da fabricação de celulose e papel, com 25,5%, e a indústria de alimentos e bebidas, com 6,4%. “Apesar de muito afetada pela crise, especialmente em 2015 e 2016, a indústria já dá sinais de retomada”, diz Suzuki Júnior. No primeiro trimestre de 2017, o setor cresceu 3,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.