Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com o título "Aceleração generalizada, Paraná reúne o 'melhor dos mundos' no Sul", reportagem do jornal Valor Econômico, da edição desta quinta-feira (09/11), destaca o vigor da retomada da atividade econômica paranaense. Com base em indicadores de mercado, a publicação informa que o “Paraná é um exemplo do surpreendente desempenho da região Sul no processo de saída da recessão”.

O jornal ressalta que o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) está revisando a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estadual de 1,6% agora revisado para 2%. Na reportagem, o economista Julio Takeshi Suzuki Júnior, diretor-presidente do Ipardes, cita a melhoria nos números dos setores de serviços, comércio, agropecuária e indústria. "Neste ano, definitivamente decretamos o final da crise aqui no Estado do Paraná."

A recuperação da economia do Paraná ganhou velocidade nos últimos meses, conforme demonstram indicadores do Banco Central, Ministério do Trabalho e outros dados setoriais. Eles mostram que o Estado não apenas está em trajetória de retomada, mas que está deixando a crise para trás mais rapidamente do que o restante do Brasil.

Os bons resultados estão em todos os setores. Na agropecuária, com crescimento de 13,6% no primeiro semestre, na indústria, com avanço de 4,6%, no comércio (3,2%), serviços (4,2%) e na geração de emprego, com um saldo positivo de mais de 28 mil vagas de janeiro a agosto. As exportações, por sua vez, cresceram 17,76% até setembro, com um total de US$ 13,9 bilhões.

De acordo com o Índice de Atividade Econômica (IBC-BR) do Banco Central, a economia do Paraná cresceu 2,4% de janeiro a agosto de 2017. O indicador é considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período, o Brasil registrou avanço de 0,31%. “Sempre acreditamos que o Paraná sairia antes da crise”, diz o governador Beto Richa.

Para o economista e consultor Gilmar Mendes Lourenço, professor da FAE Business School, a economia do Estado vai melhor que a média brasileira devido aos bons resultados do agronegócio e também à diversificação da matriz produtiva no Estado, impulsionada nos últimos anos pelo programa de incentivos Paraná Competitivo.

“Por último temos o ajuste fiscal, que permitiu uma melhora do setor público, com superavit primário e redução da relação entre dívida e receita corrente líquida”, afirma Lourenço.

EMPREGOS - Outro sinal de que a economia do Estado voltou a girar está nos números do mercado de trabalho e no crescimento do crédito. De janeiro a setembro o saldo de vagas com carteira assinada – já descontadas as demissões – ficou positivo em 28.623 empregos, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Dados do Banco Central mostram que, em agosto, o saldo de operações de crédito no Paraná era 6% superior ao de agosto do ano passado, com um total de R$ 1,23 bilhão. No Brasil o crescimento foi menor, de 4,6%, para R4 1,6 trilhão.

O crescimento das operações de crédito estão concentrados na compra de bens de consumo como eletrodomésticos e automóveis, por exemplo. “Isso é um sinal de que as famílias estão se reorganizando financeiramente e voltaram a comprar”, diz Julio Suzuki Júnior.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.