Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Paraná gerou 25.182 novos empregos com carteira assinada nos primeiro cinco meses de 2017, já descontadas as demissões. No mesmo período do ano passado, o Paraná registrava um saldo negativo de 9.382 vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados na terça-feira (20) pelo Ministério do Trabalho.

Em maio, pelo quinto mês consecutivo, o saldo (diferença entre contratações e demissões) foi positivo, em 2.379 vagas. Em maio do ano passado, o saldo no mês estava negativo em 3.388 postos de trabalho.

O Estado obteve o melhor resultado da região Sul, tanto no mês quanto no acumulado do ano. De janeiro a maio, Santa Catarina registrou saldo de 22.729 postos e Rio Grande do Sul (8.568). Em maio, Santa Catarina e Rio Grande do Sul tiveram resultados negativos de 614 e 12.360 vagas respectivamente. 

“O resultado demonstra que o Paraná realmente fez o dever de casa e retoma de forma conclusiva, objetiva e organizada o seu desenvolvimento, o seu crescimento”, diz o secretário da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Junior. “Já são cinco meses de saldo positivo. Os dados confirmam o acerto das decisões do governador Beto Richa e das políticas públicas implantadas por nossa Secretaria. A expectativa é ainda melhor para os próximos meses”, afirmou. A economista Suelen Glisnki Rodrigues dos Santos, do Observatório do Trabalho da Secretaria da Justiça, também ressalta que o saldo nos primeiros cinco meses confirma a tendência de melhora do mercado. 

SETORES - O resultado do Paraná foi impulsionado pela indústria da transformação, que obteve saldo de 11.772 vagas, seguida pelos serviços, com 10.902, e construção civil, com 2.847. “A indústria já supera os serviços na geração de vagas, o que é um dado muito positivo não apenas porque foi um setor muito afetado pela crise mas também porque é um grande gerador de vagas, muitas delas de maior qualificação e remuneração. O setor vem crescendo e mantendo a tendência positiva”, diz Suelen. 

A agropecuária registrou um saldo de 1.849 vagas, seguida da administração pública (414) e serviços de utilidade pública (51). As contribuições negativas vieram do setor extrativo mineral (menos 45 vagas) e do comércio (com 2.608 vagas). A expectativa, de acordo com Suelen, é que o comércio melhore seus indicadores nos próximos meses, já que o segundo semestre costuma ser um período forte de vendas, impulsionado pelas festas de fim de ano.

Entre as atividades, os destaques foram abate de suínos, aves e outros animais (1.004), construção de edifícios (547) e construção de rodovias e ferrovias (314). 

CIDADES – As cidades que mais geraram emprego nos primeiros cinco meses do ano foram Cascavel (574), Maringá (467) e Sengés (281). Em Cascavel as contratações foram principalmente no abate (274 postos) e na construção de edifícios (145 postos). Em Maringá, puxaram as novas vagas a construção de edifícios, rodovias e ferrovias, que somaram 98 postos. Em Sengés, destaque para a indústria da madeira e atividades de apoio florestal, com 276 postos.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.