Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Governo do Paraná investe mais R$ 1,1 milhão para fortalecer a previsão meteorológica no Estado. Nesta quarta-feira (19), o secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Antonio Carlos Bonetti, assinou o contrato de compra de novos equipamentos. O objetivo é identificar a aproximação de tempestades com probabilidade de queda de raios e emitir alertas para a Defesa Civil. Parte dos recursos é financiada pelo Banco Mundial, com contrapartida do Estado.

Os investimentos integram o Programa de Fortalecimento e Gestão de Risco de Desastres (FGRD), criado logo após as fortes chuvas que atingiram o Litoral do Paraná no início de 2011 e que causaram grandes prejuízos. Desde então, foram investidos R$ 25 milhões no setor e mais R$ 44 milhões serão aplicados até o final deste ano para prevenção e resposta rápida em caso de desastres naturais.

Os recursos serão destinados também para o mapeamento das áreas de risco, apoio ao planejamento urbano e atualização da cartografia do Estado do Paraná.

Para o secretário do Meio Ambiente, o novo sistema é um investimento que traz maior segurança para o cidadão. “São ações destinadas para quem vive em áreas suscetíveis a fenômenos climáticos severos, permitindo o fortalecimento do Sistema Estadual de Proteção e Defesa Civil, com maior integração entre o Simepar, o Instituto das Águas, a Secretaria do Meio Ambiente e o ITCG, dando maior agilidade e eficiência no atendimento à população nos casos de desastres naturais”, afirma Bonetti.

NA PRÁTICA - O Programa de Fortalecimento e Gestão de Risco de Desastres é coordenado pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, com a participação do Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná (ITCG), Instituto das Águas do Paraná, da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil e o Simepar.

Foram estabelecidos três eixos de atuação - o aprimoramento da estrutura de prevenção; maior rapidez na resposta; investimento na produção de conhecimento científico local, com a criação do Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres (Ceped).

“O Paraná possui hoje o mais ambicioso programa de gestão de desastres do Brasil, pois além de tratar das questões imediatas, o programa prepara o Estado para eventos futuros”, disse o coordenador de Mudanças Climáticas da Secretaria do Meio Ambiente, José Rubel. “E com o aquecimento global, a previsão é de que tenhamos nos próximos anos uma maior frequência de fenômenos atmosféricos extremos”, destacou.

PREVENÇÃO – Após concluídas as ações de prevenção e resposta a desastres promovidas pelo programa, o Paraná se tornará o único estado da federação a ter 100% da área coberta por sensores meteorológicos - e todos os municípios já têm Plano Municipal de Contingência de Proteção e Defesa Civil. 

O plano conta com todas as informações para garantir resposta em casos de desastres, como mapeamento das áreas de risco, locais escolhidos para receber desabrigados e os recursos disponíveis para o atendimento à população.

“Nós temos trabalhado na instrumentalização, nos meios e nos recursos necessários para que a Defesa Civil Estadual possa emitir os alertas dentro do prazo e condições necessárias para que a população se prepare e faça o enfrentamento de qualquer tipo de desastre natural”, disse o coronel Adilson Castilho Casitas, coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil e secretário chefe da Casa Militar.

Castilho lembrou ainda que os equipamentos adquiridos melhoram a qualidade da prestação de serviço do Simepar, órgão responsável pela emissão dos alertas, principalmente nessa questão de descargas atmosféricas, salvando vidas e evitando prejuízos.

“Essa aquisição permite a modernização do sistema de detecção de descargas atmosféricas, facilitando a identificação da parte mais ativa da tempestade, tornando possível conhecer a localização, a intensidade e o deslocamento de tempestades severas no Paraná”, explica o diretor-superintendente do Simepar, Eduardo Alvim Leite.

“Além disso, essas informações são fundamentais para o setor elétrico, em aplicações para transmissão e distribuição de energia, assim como para a proteção de propriedades e, o mais importante, ajuda a salvar vidas”, finaliza Alvim.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.