Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Governo do Paraná enviou na segunda-feira (25) mensagem para a Assembleia Legislativa pedindo autorização dos deputados para assinar termos aditivos com a União e, assim, formalizar a permanência do Estado no acordo que estabeleceu as bases do Plano de Auxílio aos Estados e ao Distrito Federal. “É uma medida importante, que contribui para o nosso esforço permanente de ajuste das contas públicas e melhora o fluxo de caixa do Estado”, afirmou o governador Beto Richa.

O acordo entre o governo federal e Estados, que foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e está em vigor, permitiu o alongamento da dívida do Paraná em 20 anos. Com a autorização para a permanência, o Estado deixará de pagar R$ 1,9 bilhão para a União, entre julho de 2016 e junho de 2018, devido a carência total no pagamento das parcelas no primeiro semestre do ano passado, e redução no valor dos desembolsos previstos para os 18 meses seguintes.

De julho a dezembro de 2016, o Estado já deixou de desembolsar R$ 490 milhões. Com a concessão de redução extraordinária no valor das prestações, em porcentagens decrescentes, a economia para o Tesouro do Estado será de R$ 850 milhões, em 2017, e de R$ 580 milhões em 2018.

URGÊNCIA - Os termos aditivos, que estão previstos na Lei Complementar 156, de dezembro do ano passado, precisam ser assinados até o fim deste ano. Por isso, foi solicitado que a apreciação do anteprojeto encaminhado pelo governo estadual seja feita em regime de urgência pelos deputados.

O contrato original de refinanciamento da dívida do Paraná com a União foi formalizado quase 20 anos atrás, o que possibilitou a reestruturação e liquidação do Banestado. Atualmente, a dívida soma R$ 10,3 bilhões e sua quitação estava prevista para 2028. O prazo será estendido para 2048.

No ano passado, o governador Beto Richa já havia assinado termo de revisão do indexador dessa dívida. O índice de correção passou a ser o IPCA mais 4% ao ano, no lugar de IGP-DI mais 6% ao ano. Essa alteração possibilitou redução de R$ 466,8 milhões no saldo devedor e economia mensal de R$ 16 milhões (R$ 192 milhões por ano) nas parcelas a pagar.

CRISE ECONÔMICA - O Plano de Auxílio aos Estados e ao Distrito Federal foi resultado de pedido de ajuda feito por governadores em meio a dificuldades para honrar os compromissos com a queda nas receitas, gerada pela crise econômica.

As medidas de estímulo ao reequilíbrio fiscal dos Estados têm como contrapartida a manutenção de programas de ajuste fiscal enquanto a dívida refinanciada permanecer vigente.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.