Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Um simulador de custos, composto por 45 planilhas, pode ajudar a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) a fazer escolhas mais seguras e eficientes em relação à construção de novas estações de tratamento de esgoto (ETE). A ferramenta foi desenvolvida em 2016 pelo pesquisador e estudante alemão Michael Fobke e faz parte de suas pesquisas no mestrado em Gestão e Engenharia de Recursos Hídricos, na Universidade de Sttutgart.

O estudo, apresentado em Curitiba nesta segunda-feira (10), é resultado da parceria iniciada em 2012 entre aquela instituição de ensino na Alemanha e a Sanepar. Fobke utilizou dados das ETEs Belém e CIC Xisto, ambas da Sanepar e em operação em Curitiba, para produzir seu trabalho. Segundo ele, o estudo leva em consideração diversos itens para avaliar, para cada situação específica, se é melhor construir uma ETE com tratamento do tipo aeróbio ou anaeróbio.

A coordenadora do trabalho na Sanepar, Bárbara Zanicotti, explica que o simulador traz uma metodologia para dimensionamento e determinação de custos, aliando qualidade e eficiência do tratamento do efluente e o valor financeiro investido. Entre os itens avaliados estão manutenção, operação, questões ambientais (como geração de odores e disposição do lodo), mão de obra para construção, entre outros.

“A grande contribuição do estudo é conseguir avaliar diversas situações que envolvem custos e eficiência de uma futura estação, podendo auxiliar a Sanepar a fazer a escolha mais segura e eficaz por aquele modelo que apresente os melhores resultados para cada contexto”, explica o diretor de Meio Ambiente da Sanepar, Glauco Requião. “Envolver as questões econômica, ambiental e social é o tripé que buscamos em termos de sustentabilidade”, acrescenta. Ele destaca que a atividade de pesquisa na Sanepar é constante e visa sempre as melhorias dos processos dentro da empresa.

A orientadora do estudante no Brasil, Karen Juliana do Amaral, explica que ele também desenvolveu manuais para o uso da ferramenta e baseou-se em consagradas literaturas, alemã e brasileira, e no conhecimento de normas dos dois países para criar o cálculo de custos para o tratamento de efluentes. 

“É um estudo fundamental porque muitas lacunas existem atualmente em relação às pesquisas nesse campo, como alguns dados ainda não medidos no Brasil. Uma pesquisa assim também mostra como é uma realidade mais desenvolvida em outro país e incentiva as empresas brasileiras de saneamento a buscarem a melhoria de seus processos”, diz Karen.

A professora terá o papel de dar continuidade ao trabalho e de levar a ferramenta em frente. “O estudo foi desenvolvido com todo rigor acadêmico e com muito empenho por parte de Fobke, mas ainda teremos que desenvolver diversos aspectos da ferramenta que ainda não estão totalmente concluídos”, conta.

Pela Sanepar, além de Bárbara, auxiliaram na construção do estudo uma equipe de técnicos e pesquisadores, entre ele Gustavo Possetti, Eduardo Sabino Pegorini e Charles Carneiro, com apoio das áreas de esgoto e projetos especiais da Companhia.

Além da parceria com a Universidade de Sttutgart, a Sanepar mantém cooperação com outras instituições de ensino e pesquisa dentro e fora do Brasil. Atualmente, há projetos em andamento com 11 entidades internacionais. A empresa mantém um corpo permanente de pesquisadores voltados para a pesquisa e a descoberta de soluções sustentáveis para a área de saneamento.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios