Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Amor é mais forte do que a morte;
O fogo ardente do amor é uma chama divina!
Toda a água dos oceanos não seria suficiente
para apagar o fogo do amor.” (Can 8,6-7a)

Muitos jovens se questionam: “Por que ficar juntos quando o amor acabou?”. É uma boa pergunta, mas não será, antes, possível procurar a maneira de evitar que as dificuldades da vida apaguem a chama do nosso amor?

É verdade que assumir, logo de início, as atitudes de casal – relações sexuais, vida em comum etc – tem como efeito impedir, muitas vezes, o aprofundamento do amor, interromper a sua construção, viciar a sua verificação.

Quem é o outro, aquele ou aquela que eu amo? Quem sou eu mesmo hoje, que dom profundo estou apto a dar? Descobrir-se, conhecer-se antes de decidir uma aliança e de se unir. O amor não é só o fogo do sentimento, não é só o flash de uma paixão. O amor é um fogo que deve resistir aos caprichos dos ventos e aos tornados dos temporais.

Esse amor é possível, e nós podemos decidi-lo e realizá-lo. Como?

O amor não se reduz à impressão que tenho de amar ou de já não amar. É essa decisão recíproca que faz o elo do amor.

Será, então, que o amor não se desgasta também?

Pode se desgastar e pode não se desgastar. Isso depende muito de como nos amamos e continuamos a amar. Não há fatalidade: um filho de um divorciado não está condenado a divorciar-se. Ele é como todo homem, uma pessoa única, capaz de amar e de ser amado. Pode construir uma relação, aprofundar um amor, perdoar e ser perdoado.

Como pode o amor não se desgastar?

Fazendo-o crescer. Amar não é só ter relações físicas ou sorrir quando se acha o outro amável. Fazer crescer o amor é amar: querer o bem do outro, ver tudo o que ele faz de bem e não somar tudo o que ele faz de mal. É procurar dar prazer ao outro. Dar gratuitamente.

Para fazer crescer o amor é preciso enxertar o amor no amor: “Não faço o bem que quero, mas faço o mal que não quero” (Rm 7,19).

É o pecado? O casamento e o amor, quando da criação por Deus do homem e da mulher, não se dissociavam. Depois do pecado original, já não podemos dizer que se trata da mesma coisa. Se quisermos ouvir as explicações que Deus nos propõe, compreenderemos que é o pecado original que impede essa associação casamento/amor (ver Q 31). É a nossa tendência para fazer o mal, para o pecado. E isso desgasta o amor com discussões, raivas, faltas de atenção ao outro e egoísmos.

Deus não nos condena a ficarmos fechados no fracasso do pecado original. Ele nos propõe, respeitando sempre a nossa liberdade, voltarmos a nos apoiar no amor, reconhecermos as nossas faltas e aceitarmos ser recriados de novo. Receber de novo essa chama de Deus, que é Amor.

O sacramento do matrimônio dá-nos essa capacidade de renovar o amor bebendo da fonte, que é o Amor (ver Q 15).

Fonte: Comunidade Shalom

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.