Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Para Edson Campagnolo, ao confirmar que vai aumentar tributos sobre combustíveis, governo escolhe o caminho mais cômodo para cobrir o rombo em suas contas

 

O presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, critica a alta de impostos sobre os combustíveis, definida pelo governo federal para cobrir o rombo em suas contas. Para ele, a medida deve comprometer a retomada do crescimento econômico. “Representa mais um aumento no já pesado Custo Brasil, impactando diretamente no setor produtivo e dificultando ainda mais a superação da crise”, afirma. “As empresas estão com suas planilhas de custos no limite e não têm condições de absorver mais esta alta de impostos, que terá que ser repassada ao preço final dos produtos, prejudicando também o consumidor e toda a economia”, acrescenta.

 

Na opinião de Campagnolo, o governo busca o meio mais fácil para tentar alcançar a meta fiscal deste ano, sem adotar medidas que efetivamente controlem o gasto público. “Diante de dificuldades para equilibrar suas finanças, continua sendo mais cômodo para os governos dividir a conta com o consumidor e com o setor produtivo”, diz. “Essa é uma prática recorrente ao longo do tempo, independente de quem ocupa o governo. Escolhe-se o caminho mais fácil para cobrir o rombo, ao invés de se adotarem medidas concretas que aumentem a eficiência da gestão pública e fechem a torneira do gasto desenfreado”, completa o presidente da Fiep.

Asimp/Fiep

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.