Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Gabriela Lólia, de 23 anos, vive a expectativa de ver uma iniciativa sua se tornar lei. Quando ainda estudava Direito, em 2017, ela participou do Parlamento Universitário – evento da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) que possibilita que alunos vivenciem por dez dias a experiência de ser um deputado estadual – e uma de suas propostas foi apadrinhada. As informações são da Gazeta do Povo.

Ao pesquisar sobre liberdade religiosa, Gabriela percebeu que a rotulagem dos produtos não fornece informações suficientes para quem não pretende comer carne de porco. A restrição por motivos religiosos afeta a rotina dos muçulmanos. Um exemplo é a presença de gordura animal, em muitos produtos, até em cremes dentais, sem especificar se é gordura de boi, frango ou do porco.

Gabriela apresentou um projeto de lei, durante o Parlamento Universitário, estabelecendo a obrigação de informações mais detalhadas nos rótulos. A proposta foi apresentada e aprovada no Parlamento Universitário. O diretor legislativo, Dylliardi Alessi, levou a iniciativa ao presidente da Alep, Ademar Traiano (PSDB), que protocolou o projeto. Entretanto, não chegou a ser votado na legislatura anterior, exigindo nova tramitação. Está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), aguardando um relator.

Mais propostas

Entre os projetos apresentados na edição de 2019 do Parlamento Universitário, que aconteceu de 18 a 26 de julho, está a iniciativa de Maria Catarina Fracazzo, estudante de farmácia da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Ela quer oficializar a proibição da Substância Mineral Milagrosa (MMS), que se tornou conhecida com o avanço de pseudociências e do movimento antivacina. “Muitas mães estão dando essa solução aos seus filhos com a premissa de que a substância irá remover o verme e curá-los do autismo, quando na verdade isso está matando essas crianças”, defendeu a parlamentar universitária.

Entre os 36 projetos aprovados na quarta edição do Parlamento Universitário está também o que inclui a matemática financeira entre os conteúdos a serem ensinados em todas as escolas estaduais. Para que as propostas deixem de ser apenas ideias apresentadas por estudantes basta que deputados estaduais apadrinhem as iniciativas e protocolem como projetos de lei.

* Em parceria com o curso de Jornalismo da Universidade Positivo, participante do Parlamento Universitário da Assembleia Legislativa do Paraná"

(https://www.gazetadopovo.com.br/parana/parlamento-universitario-leis-parana/)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.