Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Texto em discussão na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) impede que recursos destinados à autarquia sejam bloqueados pelo governo federal

Um projeto de lei complementar em tramitação na Câmara dos Deputados pretende dar mais autonomia financeira e orçamentária ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A autarquia, ligada ao Ministério da Economia, é responsável pela análise e liberação de marcas e patentes no país.

O PLP 143/2019, de autoria do deputado Marcos Pereira (REPUBLICANOS-SP), altera a Lei de Responsabilidade Fiscal para que recursos destinados ao INPI não sejam bloqueados e possam ser utilizados na prestação de serviços destinados à sua atividade-fim.

“Se o INPI tiver autonomia administrativa, ainda que sob supervisão do Ministério da Economia, poderá investir em novas tecnologias, em novos softwares, em mais treinamentos para a capacitação dos seus servidores e, consequentemente, o prazo médio de concessão de patentes diminui”, argumenta o parlamentar.

Segundo Pereira, o INPI é autossustentável com as receitas obtidas pelos serviços que presta. O problema é que, atualmente, a maior parte dos recursos gerados são contingenciados no orçamento federal, não retornando aos cofres da autarquia. De acordo com a diretoria do INPI, cerca de R$ 400 milhões estão contingenciados – recursos que poderiam melhorar a estrutura do instituto.

Atualmente, a estimativa é que 218 mil pedidos de patentes estão atrasados no país. Em 2018, esse número passava de 225 mil. Patente é o nome que se dá à concessão pública, conferida pelo Estado, que garante ao seu titular a exclusividade ao explorar comercialmente a sua criação.

Na avaliação do diretor regional da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), José Graça Aranha, dar autonomia ao INPI representa agilizar processos e garantir infraestrutura à autarquia. “A ideia é tirar as amarras do INPI para ele poder seguir seu caminho dentro dessa nova linha que o governo quer implementar no Brasil”, pondera.

Tramitação

Em agosto, o PLP 143/2019 foi aprovado na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço (CDEICS). O deputado Vinícius Carvalho (REPULICANOS-SP), relator do projeto no colegiado, lembra que o atraso na concessão de patentes pode ultrapassar dez anos, fator que gera atrasos na evolução tecnológica brasileira.

“Importante ressaltar que esse atraso não se deve à qualidade ou ao profissionalismo do corpo técnico do INPI, mas, sim, às severas restrições orçamentárias de que o instituto é alvo. O projeto cumpre, portanto, que se deem ao INPI as condições operacionais mínimas para que o órgão possa cumprir sua missão fundamental para o progresso do país”, afirmou Vinicius Carvalho em seu parecer.

Para o deputado Efraim Filho (DEM-PB), a aprovação do projeto no Congresso Nacional significa uma questão de sobrevivência do INPI. “A gente tem estado em uma marcha de melhora dos prazos, desburocratização dos procedimentos e simplificação das regras. A gente espera realmente que esse recurso seja tratado como prioridade, evitando ser contingenciado. Isso impede que se acabe com o planejamento que é feito durante toda a carreira”, defende.

Atualmente, o projeto aguarda parecer do relator, deputado Lafayette de Andrada (REPUBLICANOS-MG), na Comissão de Finanças e Tributação (CFT).

Jalila Arabi/Agência do Rádio

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.