Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nesta sexta-feira, 27, Francisco recebeu no Vaticano os membros da Rede Internacional de Legisladores Católicos

O Papa Francisco recebeu, no Vaticano, nesta sexta-feira, 27, os participantes do encontro promovido pela Rede Internacional de Legisladores Católicos. A rede é composta por parlamentares católicos provenientes de todo o mundo. Nascida, em Trumau, na Áustria, em 2010, o organismo tem o patrocínio do arcebispo de Viena, cardeal Christoph Schönborn.

Existe a pandemia da Covid-19 que “perturba” e continua causando mortes e contágios. Existem distúrbios e polarizações políticas que criam desconfiança em relação aos representantes políticos. Existe um desafio que questiona e torna ainda mais delicado o papel dos parlamentares, especialmente dos parlamentares católicos. Este é o desafio das novas tecnologias e das ameaças à “dignidade humana”.

Pornografia infantil, exploração de dados pessoais, fake news: contra essas chagas é necessária uma legislação atenta e orientada ao bem comum. Este é um mandato claro e definido que o Papa Francisco confiou aos membros da Rede Internacional de Legisladores Católicos. O cardeal Christoph Schönborn esteve presente na audiência do Papa junto com o professor Alting von Geusau e Ignatius Aphrem II, patriarca da Igreja sírio-ortodoxa.

Contra a Covid ainda há muito a ser feito

Agradecendo ao organismo o trabalho realizado nestes onze anos de acompanhamento e apoio à obra da Santa Sé nos respectivos países e na Comunidade internacional, o Papa abordou, em seu discurso, a realidade de hoje gravemente marcada pela pandemia da Covid-19 que parece ganhar ímpeto.

 “Fizemos certamente progressos significativos na criação e distribuição de vacinas eficazes, mas há ainda muito trabalho a ser feito. Já foram confirmados mais de 200 milhões de casos e quatro milhões de mortos devido a esta praga terrível, que também causou tanta ruína econômica e social”.

Uma boa política é indispensável para a paz social

O papel dos parlamentares é mais importante do que nunca. “Nomeados para servir o bem comum, vocês são agora chamados a colaborar, através de sua ação política, a renovar integralmente as suas comunidades e a sociedade como um todo”, disse Francisco.

O objetivo não é apenas “vencer o vírus” e “voltar ao status quo antes da pandemia”, mas “enfrentar as causas profundas que a crise revelou e ampliou: pobreza, desigualdade social, desemprego e falta de acesso à educação”.

“Irmãos e irmãs, de uma crise não se sai iguais: sairemos melhores ou piores. De uma crise não saímos sozinhos: sairemos juntos ou não conseguiremos sair.”

Não é um trabalho fácil, ainda mais em uma “época de perturbação e polarização política”, na qual “os parlamentares e os políticos em geral nem sempre possuem grande estima”. No entanto, observou o Papa, “que chamado maior existe do que servir o bem comum e dar prioridade ao bem-estar de todos, antes do ganho pessoal”?

“Uma boa política é indispensável para a fraternidade universal e a paz social”, frisou.

O desafio das novas tecnologias

Neste contexto, um dos maiores desafios da atualidade é “a administração da tecnologia para o bem comum”, ressaltou o Pontífice.

Certamente, “as maravilhas da ciência e tecnologia modernas aumentaram a nossa qualidade de vida”, todavia, “abandonadas a si mesmas e apenas às forças do mercado, sem as devidas orientações das assembleias legislativas e de outras autoridades públicas orientadas por um sentido de responsabilidade social, essas inovações podem ameaçar a dignidade do ser humano”.

“Não se trata de frear o progresso tecnológico”, esclareceu o Papa, mas “de proteger a dignidade humana quando esta é ameaçada”. Os instrumentos políticos e regulamentares permitem que os parlamentares o façam.

O Pontífice enumerou alguns destes ataques contra a pessoa provenientes da internet: “Penso no flagelo da pornografia infantil, na exploração de dados pessoais, nos ataques a infraestruturas importantes como hospitais, nas falsidades difundidas nas redes sociais”.

“Uma legislação atenta pode e deve orientar a evolução e aplicação da tecnologia para o bem comum.”

Cidadãos responsáveis e líderes preparados

O incentivo é o de “assumir a tarefa de uma reflexão moral séria e profunda sobre os riscos e oportunidades inerentes ao progresso científico e tecnológico, para que a legislação e as normas internacionais que os regulam possam centrar-se na promoção do desenvolvimento humano integral e da paz, e não no progresso como um fim em si mesmo”.

O Papa convidou os membros da Rede Internacional de Legisladores Católicos a “promoverem o espírito de solidariedade, começando das necessidades das pessoas vulneráveis e desfavorecidas”. “O compromisso dos cidadãos, nas várias esferas da participação social, civil e política, é indispensável”, disse ele.

“Para curar o mundo, duramente provado pela pandemia, e para construir um futuro mais inclusivo e sustentável em que a tecnologia sirva as necessidades humanas e não nos isole uns dos outros, precisamos não apenas de cidadãos responsáveis, mas também de líderes preparados e animados pelo princípio do bem comum”.

Canção Nova/com Vatican News

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.