Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Solidão é passear pela praia ou pela calçada sem companhia, é assistir a uma partida de futebol, é ouvir uma rádio horas e horas a fio, ou será que solidão é morar sozinho? Segundo o dicionário, solidão é o “estado do que se encontra ou vive só, é isolamento”.

O solitário sempre existiu, ele pode estar em qualquer lugar: sentado vendo o horizonte, andando numa rua movimentada, trabalhando em um escritório ou no trânsito barulhento. A solidão sempre é destacada na literatura e na música.

A solução vem da solidariedade

Para se livrar deste sentimento, tem gente que põe anúncio no jornal, outros enfrentam a noite ou até conversam com cachorros. A maioria acha uma desculpa: solidão é um mal da cidade grande, o jeito é conviver com ela. Alguns preferem estar “sozinhos do que mal acompanhados”, como diz a expressão popular, o importante é se sentir bem. Aí começa a aparecer o espírito egoísta dos indivíduos, onde o “eu” é superior ao “nós”.

O individualismo coopera com a solidão

O individualismo abafa a solidariedade, a relação de responsabilidade entre as pessoas. É comum pensar que nas grandes cidades a solidão está relacionada somente aos que moram sozinhos. Pode-se achar que quem optou por este tipo de vida é um solitário. Isso pode ser um engano. São muitos os motivos que levam, principalmente os jovens, a morar separados dos pais. Muitos saem procurando uma autoafirmação, outros para fugir da realidade da família, mas muitos outros saem para buscar uma vida melhor, para estudar ou procurar um emprego. E aí, se os jovens são vítimas de uma situação de solidão, o que dizer dos velhos que hoje amarguram o resto de suas vidas abandonados pela família em um asilo, porque já se tornaram um “estorvo” para a sociedade?

A solidão é sempre um grito, contido ou não, de quem vive fechado no seu eu. Mesmo cercado por milhares de pessoas, o solitário não encontra alguém que lhe dê um pouco de atenção. A solução, tão difícil nesta época de egoísmo e individualismo, é simplesmente um pouco mais de solidariedade, de diálogo, de amizade sincera, sem segundas intenções. É saber ouvir, saber calar e falar na hora certa. É dar o ombro e compreender o momento que o outro vive, é abrir-se para ajudar, para doar-se, para amar.

Paulo Victor e Letícia Dias - Cirurgião-dentista de formação, Paulo Victor foi membro da Comunidade Canção Nova como apresentador, locutor e radialista. Atualmente, ele mora em Campo Grande (MS). É empresário e casado com Letícia Dias.

Letícia Dias é Gerente de Conteúdo e estudante de Letras/Libras com foco na Educação Especial. Foi membro da Comunidade Canção Nova como apresentadora de programas. Hoje, ela mantém uma agitada rotina familiar. Letícia tem um filho caçula que nasceu com Síndrome de Down, e isso a refaz todos os dias.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.