Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Falta de políticas públicas, valorização do idoso e capacitação profissional são algumas causas apontadas por especialistas

Nos últimos 77 anos, a expectativa de vida do brasileiro aumentou 30,5 anos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país tem hoje mais de 30 milhões de idosos e projeções do órgão apontam para um aumento ainda mais significativo nas próximas décadas, fazendo com que a pirâmide etária brasileira se altere e faça da população idosa maioria.

Com isso, para atender plenamente os idosos, se faz necessário corrigir estruturas do estado brasileiro como a Previdência Social e o Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, mais do que as reformas, é preciso uma discussão ampla sobre a importância dos idosos para o país. É exatamente isso que propõe um estudo científico desenvolvido pelas alunas Letícia Staroski Machado e Letícia Costa de Oliveira, do curso de Direito do Centro Universitário Uninter.

As autoras constataram um dado alarmante de que, em média, quatro idosos são maltratados por hora no Brasil. Segundo o professor de Direito Internacional da Uninter, Eduardo Gomes, orientador do estudo, isso acontece pois, “além dos problemas demográficos já conhecidos, falta consciência da sociedade civil e fiscalização do poder público”.

Além dos maus-tratos e ineficiência do estado, especialistas apontam a falta de profissionais capacitados como um dos motivos para essa realidade. O curioso é que o mercado para cuidador de idosos, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), foi o que mais cresceu no Brasil, passando de 5.263 em 2007 para 34.051 em 2017 – o que representa uma alta superior a 500%.

De acordo com o professor Cristiano Caveião, coordenador do curso de Gerontologia (Cuidador de Idosos), apesar do aumento de profissionais, a necessidade de mais especialistas fica evidente a cada dia que passa. “O número de cuidadores não acompanha o aumento de idosos e cada vez mais precisamos de gente capacitada para, além de cuidar, também orientar, proteger e reinserir essa população na sociedade”, explica Cristiano.

O professor esclarece que o curso aborda temas que formarão um profissional com as necessidades do mercado de trabalho. “Alguém que, além de cuidados básicos, possa orientar quanto à qualidade de vida, direitos, promoção de saúde, e também ser gestor de instituições de serviços voltados a esse público”, diz.

O curso

Com duração de dois anos e na modalidade EAD, o curso de Gerontologia possui em sua grade matérias voltadas para o processo de envelhecimento humano (anatomia, fisiologia e epidemiologia) entre outras, como psicologia, ética e fundamentos de direito. Um destaque especial ocorre para a matéria de empreendedorismo, que estimulará o profissional a inovar na área com a criação de novos negócios para o público idoso. 

Asimp/ Grupo Uninter

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios