Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Governo Federal substitui construtoras e assegura recursos adicionais para beneficiar famílias em Curitiba (PR), Euclides da Cunha (BA) e Vigia (PA)

Três empreendimentos do programa de habitação popular do Governo Federal, em Curitiba (PR), Euclides da Cunha (BA) e Vigia (PA), serão retomados para beneficiar cerca de 3 mil pessoas. O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) concluiu o processo de substituição das construtoras envolvidas e garantiu o aporte de recursos necessários à finalização das obras. Com a medida, deverão ser gerados cerca de 2,5 mil empregos diretos, indiretos e induzidos.

As obras são contratadas com recursos do Fundo de Arrendamento Residencial (FAR) para atender famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil – Faixa 1 do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV).

 “São 672 famílias que serão beneficiadas com a retomada e a entrega desses três empreendimentos. Assim, levamos mais qualidade de vida e dignidade para essas pessoas. Por outro lado, são cerca de 2,5 mil empregos gerados e que vão aquecer a economia da região durante este período de pandemia causado pelo coronavírus”, avalia o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

Em Curitiba, o Residencial Theo Atherino – com 240 unidades – está com 88% das obras concluídas. Contratado em 2013, a construtora demandou por diversas vezes o adiamento da entrega. Até que em 2018, a empresa decretou falência. A retomada do empreendimento exigiu a escolha de uma nova construtora e o aporte de aproximadamente R$ 4,2 milhões.

Já em Euclides da Cunha (BA), o Residencial Ararinha Azul foi contratado em dezembro de 2014 e já estava com 85% dos trabalhos concluídos. Porém, no final de 2016, as obras foram paralisadas. Foi preciso substituir a empresa e adicionar quase R$ 2 milhões ao valor inicial do projeto. A nova previsão é que as 152 moradias sejam entregues em sete meses.

O Loteamento Residencial Vigilenga, em Vigia (PA), com 280 unidades, foi contratado em fevereiro de 2014. Na fase final de execução dos serviços, a construtora reduziu o ritmo de obras e desmobilizou as equipes de trabalho – o contrato foi rescindido em 2018. O empreendimento está com 86% das obras concluídas. Com o aporte de R$ 3,7 milhões, a nova empresa promete entregar os imóveis em até seis meses.

Em maio, o Ministério do Desenvolvimento Regional autorizou a retomada de outros dois empreendimentos em Niterói (RJ) e João Pessoa (PB). No total, nas duas localidades, serão 1.176 novas residências.

Mais investimentos

No setor de habitação, só neste ano, o MDR autorizou a transferência de R$ 830 milhões do Orçamento Geral da União (OGU) para garantir a execução do MCMV. A maior parte dos recursos, R$ 562 milhões, foi destinada à continuidade das obras de 292 mil moradias para famílias da Faixa 1.

Também foram entregues 105 mil residências para beneficiários do Programa até o fim de abril. Desse total, 16 mil foram destinadas a famílias que mais precisam. Além disso, mais de 110 mil unidades habitacionais foram contratadas para as Faixas 1,5; 2; e 3 do MCMV. Elas são financiadas com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Ascom/Ministério do Desenvolvimento Regional

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.