Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A palavra religião vem do latim religio, que designava "respeito", "reverência". A palavra deriva de relegere, em que re-, "de novo", está associado ao verbo legere, "ler", abrigando o sentido de "tomar com atenção". Uma pessoa vive a religião quando, uma e outra vez, cuida escrupulosamente de algo muito importante, algo que deve ser cultuado. Teólogo Marco Aurélio Nogueira mostra os erros que uma pessoa que a aplica pode cometer quando não faz essa vivência da maneira correta.

Segundo a etimologia popular, a origem da palavra "religião" vem de religare, do latim: a religião religaria o homem a Deus. Através das religiões, muitos chegam a acreditar que ela traz consigo grandes evoluções, para que se alcance, um dia, a perfeição semelhante à de Deus.  No entanto, para muitas pessoas, a sua religião é a causa principal de seus conflitos com seus irmãos e companheiros dessa nossa jornada evolutiva espiritual terrena.

Para o teólogo Marco Aurélio Nogueira, “isso acontece apenas porque suas respectivas religiões são diferentes. Ademais, apesar de umas terem a mesma religião, elas ainda brigam também pelo modo diferente de elas praticarem a mesma”. Além disso, ele acrescenta que “algumas pessoas são mais religiosas e outras menos. E as que são mais querem que as que são menos sejam religiosas iguais a elas, o que é um erro, pois, ser muito religioso depende do nível evolutivo espiritual de cada pessoa”.

Quando isso acontece, vem à tona o que é chamado de intolerância religiosa. De acordo com o teólogo, “é um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças ou crenças religiosas de terceiros. Pode-se constituir uma intolerância ideológica ou política, sendo que, ambas têm sido comuns através da história”. Ele destaca ainda que a perseguição se manifesta por meio por meio de discriminação, profanação e agressões. “É a incapacidade em aceitar o que é diferente, é não tolerar opiniões ou práticas que se diferem das suas e muitas vezes são seguidas de atitudes preconceituosas e até mesmo violentas”, reforça Marco Aurélio.

Outro grande erro cometido por muitos, aponta o teólogo, é o extremismo religioso, que está associado ao dogmatismo, ao fanatismo e à tentativas de imposição de estilos e modos de vida, bem como à negação radical de valores. “O extremismo, unido ao unilateralismo, resulta em total fechamento ao diálogo e à negociação, o que automaticamente acarreta um grande desconforto”, ressalta.

Mas a cada dia que passa, fica evidente que a intolerância religiosa está presente no mundo todo e em diversas épocas da humanidade, detalha Marco Aurélio. Além disso, ele lembra que “as crenças que perseguem, em outro momento ou lugar são perseguidas, e essa dificuldade em aceitar a existência de um Deus diferente do seu, foi, e ainda é, motivo de grandes tragédias”.

Para suprir estes erros, o teólogo aponta um caminho: “Vivemos em um mundo plural, formado por pessoas diferentes, com posicionamentos, crenças e interesses diferentes e somente o respeito mútuo pode garantir uma convivência saudável em sociedade”, finaliza.

Jennifer da Silva/Suporte MF Press Global

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.