Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nós da Associação Nacional dos Servidores Públicos da Previdência e da Seguridade Social (Anasps) não somos contra a reforma da Previdência do ministro Paulo Guedes.

Como não fomos contra as seis reformas efetuadas após a Constituição de 1988. A sétima não se completou. Morreu com a intervenção federal no Rio de Janeiro.

Só que nas sete reformas anteriores o que se propôs não se efetivou. Todas tinham como eixo central o combate ao déficit da Previdência. Todas tinham o patrocínio do mercado. Todas tinham como pressuposto ético a redução dos privilégios. Todas transportavam “bodes” que eram a redução dos direitos sociais e das conquistas constitucionais.

Depois das seis reformas, concluímos que a Previdência Social do sonho e da esperança, de “uma velhice tranquila”, formulada em 1926 por Eloy Chaves, foi reduzida à Previdência Social da incerteza e do desespero.

Se 30 milhões de segurados do Regime Geral de Previdência Social –RGPS recebem um salário mínimo, é sinal claro de que as reformas empobreceram, apequenaram, dilaceraram a Previdência. Caímos de um teto de 10 salários mínimos para cinco, cada vez mais difícil de se alcançar. Criamos os miseráveis!

Não se combateu o déficit, só se ampliou. Não se quis estancar o déficit da previdência rural, - o FUNRURAL, criado em 1971, sua razão principal, para ficar no RGPS; não se corrigiu o déficit dos militares, dos estados e dos munícipios se manteve. O mercado usa a bandeira do déficit para colocar a Previdência contra a parede e saqueá-la. Assim o fizeram, criando as renúncias patronais, as desonerações, os refis, os novos funrurais. O mercado pediu e o governo acabou com a receita previdenciária levando a sonegação de 30% para a Receita Federal, acabando com a fiscalização e apoiando os caloteiros na não cobrança da dívida administrativa e ativa.

A reforma de Paulo Guedes propõe déficit zero. Uma lenda, mentira. É uma lenda, como é uma lenda sanear as finanças públicas, com rombo de quase 6 trilhões de reais. O mercado tem como modelo o capitalismo de Estado. Seja, vive mamando nas tetas do Estado com incentivos fiscais de R$ 400 bilhões ano e lucros bancários de 100 bilhões!

Não dá para acreditar que, mudando o financiamento com elevação de alíquotas de contribuição para ativos e inativos vá se reduzir o déficit e gerar uma economia de 1,2 trilhão de reais, em 10 anos! À luz da Matemática é impossível. Só o déficit rural em 10 anos chegará a 1,2 trilhão! Sr. Guedes, é só multiplicar R$ 120 bilhões/ano por 10 anos! Já que não há nenhuma proposta na reforma que trate do financiamento rural. Nem o presidente Bolsonaro nem o vice Mourão viram o engodo. Senadores e deputados arregalaram os olhos!

Os humores da volatilidade do mercado refletem isso. O mercado conseguiu colocar o Brasil contra o Brasil e os Brasileiros! Ou a reforma, ou a desintegração do país. A reforma parece um aborto e somos contra o aborto e a favor da vida.

Calma, gente. O Brasil não acabará se esta reforma não for feita. Precisamos fazer uma reforma para fixar a idade mínima e enfrentar o benefício humano de se viver mais. O mundo está vivendo mais e isto que aparenta ser ruim para o mercado não é causa, mas consequência da melhoria da qualidade de vida dos povos.

Podemos sugerir e sugerimos o Plano B da reforma. Que fale de financiamento e não só de benefícios e privilégios.

Não destruindo o Estado brasileiro, os 96 anos do regime de repartição simples, o pacto de gerações, que deve ter aposentado mais de 100 milhões de brasileiros, cinco gerações e que teve papel relevante na construção da sociedade brasileira.

Homem do mercado, em nenhum momento, o sr. Paulo Guedes falou de financiamento da reforma pelo mercado, que detém o dinheiro. Pelo contrário, o filé mignon da reforma está em entregar ao mercado os fundos de pensão com ativos de 900 bilhões para ganhar ainda mais e elevar a dívida interna, está em considerar incobrável, lixo, R$ 360 bilhões da dívida ativa, em má hora entregue à Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, que (pasmem!) continuará existindo trabalhando com e para o mercado! Está em não enxergar que 70% da receita da Previdência é de fonte e 30% são declaratórios e compõem a gorda sonegação contributiva. Está em manter renúncias, desonerações e refis, benefícios sem contribuição atuarial adequada e subsidiada, mas com direito a receber benefícios cheios, de100%, o que é um manancial de déficit futuro.

Mas o que nos choca nesta reforma é a malandragem e a safadeza de incluir no projeto a redução de 50% no abono salarial de trabalhadores pobres (isto não é para estar num projeto  da reforma da previdência, é um “bode na sala”, 2, a estúpida redução de 50% no Benefício de Prestação Continuada, ícone da Assistência Social, com 5 milhões de beneficiários, para idosos e pessoas com deficiência; 3, acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e elevação da carência mínima de 15 para 20 anos , o que é um castigo imposto aos segurados urbanos, 4, a redução no valor das aposentadorias a 60% da média das contribuições e, se algum segurado quiser se aposentar com 100% terá que trabalhar, contribuir com pelo menos 40 anos. 5, acaba com regime de repartição simples, em vigor há 96 anos, e substitui pelo regime de capitalização que deu errado em 18 dos 30 países que a ele aderiu.  6, desconsidera a dupla jornada das mulheres, elevando a idade mínima para 62 anos, sendo que as professoras passarão de 50 para 60anos e as trabalhadoras rurais de 55 para 60 anos.

No Chile, nenhum aposentado recebe mais um salário mínimo. Ganhou o mercado.

Paulo César Régis de Souza é vice-presidente Executivo da Associação Nacional dos Servidores Púbicos, da Previdência e da Seguridade Social- ANASPS.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.