Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em agosto de 2017, o fundador da comunidade Canção Nova, Monsenhor Jonas Abib, fez-me a proposta de viver uma experiência missionária em Moçambique, junto aos salesianos que estão ao norte do país, na Província de Tete. Aceitei o desafio e embarquei para África.

No ano de 2018, inserimo-nos na missão da paróquia São João Batista, na Vila de Moatize, na diocese de Tete, que conta com uma rádio comunitária. Essa paróquia possui trinta comunidades e algumas das aldeias atendidas estão a 100 km da sede. Ali desenvolvemos nossos trabalhos junto aos missionários salesianos.

Já em 2019, eu e o missionário leigo Cristian Boher nos inserimos na missão da paróquia Nossa Senhora da Conceição, na Aldeia do Zobué, na fronteira com o Malawi. Uma igreja que estava há quase 20 anos sem padre residente, recebia ajuda pastoral dos salesianos que vinham da paróquia vizinha, a 100 km.

Defrontamo-nos com muitos desafios missionários. Enfrentamos a realidade da inculturação e da adaptação em uma cultura tribal. O idioma oficial de Moçambique é o português, porém existem no país mais de 20 dialetos falados nas diversas etnias. Nas zonas rurais e aldeias não se fala o português, somente dialeto. São os desafios culturais que todos vivem ao se dispor a viver a missão ad gentes.

Estamos na realidade de um país em processo de evangelização, no qual, em muitos lugares, o Evangelho não foi anunciado. Nas aldeias, muitos ainda não conhecem Jesus Cristo, e também faltam missionários. Na Diocese de Tete, oito, das 28 paróquias, estão sem padres. Em Moçambique, as religiões tradicionais são muito fortes, e nós respeitamos. É preciso entender a cultura para evangelizar sem ferir as raízes do povo. É um processo lento, que requer muita paciência.

Temos também os desafios da pobreza e desigualdade social. Moçambique, apesar do desenvolvimento econômico dos últimos anos, continua a ser um dos países mais pobres do mundo. Vemos ainda muita fome e miséria, pessoas que têm apenas uma refeição por dia. Com os problemas do sistema de saúde precário, muitas pessoas morrem de malária e AIDS. São inúmeros os problemas na área da educação, escolas degradadas e falta de infraestrutura.

Ao nos depararmos com tudo isso, nos sentimos pequenos, insuficientes e incapazes. Mas, em Deus, colocamos nossa “gota d’água” nesse oceano infinito de necessidades. Temos atendido e celebrado com o povo de Deus: missas, confissões, batizados, exéquias, matrimônios; buscado orientar e formar os jovens.

Fazemos missão nas aldeias, mesmo sem falar o dialeto local. Um tradutor local nos auxilia em tudo. Quando sobra algum tempo livre, tentamos ajudar um pouco no cuidado das crianças que ficam a todo momento no quintal da casa paroquial. Recebemos mais do que damos ao povo!

Um povo pobre, porém generoso, alegre, acolhedor, que celebra tudo. O canto e a dança nos contagiam. Apesar de não entendermos o dialeto, cantam algo que parece já estar em nossa alma.

Eles nos ensinam como realmente devemos viver e celebrar cada momento, principalmente a Santa Missa. Não vi isso em nenhum lugar do mundo. Não restringem horários para Deus, por exemplo, não têm horário para terminar a missa, duas a três horas é pouco pois continuam lá louvando e cantando ao Senhor. Assim, é o povo da África!

Temos vivenciado com muita alegria os desafios desta missão que nos faz crescer humana e espiritualmente com a cultura desse povo. E assim, com a graça da Divina Providência, continuamos a cantar uma Canção Nova no continente africano.

Padre Ademir Costa da Silva é missionário da Comunidade Canção Nova. Atualmente está na Aldeia de Zobué, Província de Tete, Moçambique

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.