Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Escolher o prefeito da grande cidade não é tarefa para os moradores. Afinal, dizem os donos do poder, a população não sabe votar nem escolher o melhor nome para gerir a cidade. Especialmente se for a capital do país. Os nomes são analisados tanto no Congresso Nacional como no gabinete presidencial. Aparentemente o presidente da república não deveria se envolver com prefeitura, uma vez que já tem tantos outros problemas para resolver. Mas acha tempo para tudo, afinal alguns deles são estruturais e persistem ao longo de toda a história do Brasil, e provavelmente não serão resolvidos no seu governo. Ter alguém de confiança na administração da cidade aumenta o seu cacique político. Tem que ser leal e ouvir o chefe. No mais das vezes o apoio ao prefeito faz parte de uma troca já combinada nos bastidores do poder e ou é o pagamento de um apoio recebido durante a sua eleição na campanha presidencial, ou um novo acordo. O toma cá, dá lá, é de dupla mão de direção e não descarta nenhum cargo político, inclusive o de prefeito. 

Governar uma grande cidade sem a ajuda de verbas federais é o caminho mais curto para o fracasso da administração e da carreira do prefeito. Afinal, a cidade é um trampolim poderoso para se alcançar cargos importantes na república. Por isso o titular não  titubeia em abandonar o mandato no meio e participar de campanha para deputado federal, senador ou mesmo govenador do estado. Não é à toa que o presidente precisa ficar de olho no prefeito e ter nele um aliado e não um vira casaca que pode se associar a oposição e perturbar o ambiente político. Questões como o saneamento básico, moradias populares, favelamento, violência urbana, transporte público podem ser resolvidos com verbas públicas. O caixa da prefeitura é sempre insuficiente para atender ao crescimento desordenado da cidade, o adensamento populacional e os serviços sempre precários de atendimento ao povo. Em socorro à administração local só existe um remédio: as verbas do governo federal. E a caneta está nas mão do presidente, afinal a avaliação positiva do prefeito também lhe traz dividendos eleitorais. O que aparentemente é uma questão paroquial, a escolha do alcaide, se torna um componente importante para a manutenção do poder. 

O indicado para receber o apoio do presidente da república deve ser alguém que tenha boa popularidade. Não se trata só de amealhar votos, mas de ter o apoio da imprensa e dos líderes políticos espalhados na periferia das cidades. Estes são conquistados com pequenos mimos como nome de parentes e amigos em ruas e avenidas na periferia, empregos no governo e dotação de verbas para as entidades de fins duvidosos. Os prefeitos têm o nome e o sobrenome ligados às elites oligárquicas que governam o pais, ainda que uns ostentem o título de engenheiro, médico, arquiteto, advogado e outras profissões que só a elite tem acesso. Não há possibilidade de um popular chegar à prefeitura da capital do Brasil. Desde a primeira constituição o Rio de Janeiro deixa de ser o município neutro da época imperial e passa a ser o Distrito Federal. O prefeito é nomeado pelo presidente da república. Os interventores também. Não há eleição para o poder executivo municipal. A cidade, por ser a capital da República dos Estados Unidos do Brasil, precisa ser governada em consonância com o poder central. Lá está localizada o palácio presidencial, o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal, os comandos militares, as universidades federais, as embaixadas estrangeiras e um sem número de repartições públicas de toda ordem . Não há crise de desemprego uma vez que boa parte da população é funcionária do estado e recebe salário ou a aposentadoria. Só mesmo com a saída do centro do poder as  coisas podem mudar. Juscelino transfere o distrito federal para Brasília e a cidade do Rio de Janeiro se torna o Estado da Guanabara e a população ao invés de escolher o prefeito, escolhe o governador.

Heródoto Barbeiro é ancora do Jornal da Record News em multiplataforma - hbarbeiro@recordtv.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.