Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Enganar a população é uma arte que vem sendo desenvolvida desde os tempos da independência. De uma forma geral vale para toda a América Latina. De um lado uma elite que iniciou sua carreira de dominação apoiada no trabalho escravo de negros e índios e a posse de grandes latifúndios ou minas de metais preciosos. Do lado Atlântico o cultivo da cana, a instalação de um sistema de produção de cana de açúcar e o resultado enviado para os financiadores que refinavam, distribuíam na Europa e ficavam com os lucros. Tocado com mão de obra escrava africana. Do lado do Pacífico as minas de prata e ouro que carregavam os navios, legais ou de contrabando, e eram os responsáveis para atender a política econômica da época, o mercantilismo, cuja matriz principal era apoiada na balança comercial favorável. Os metais serviam para compensar a falta de produtos para a venda. Tocado com a mão de obra escráva indígena, em um sistema conhecido como mitayo, ou seja trabalho sob a terra até a morte.

Com o passar dos tempos o método de mudou. Era preciso do apoio da população ainda que esta não soubesse muito bem o que estava apoiando. Mas um conflito externo era uma forma de distrair a atenção para um evento ameaçador e todos se juntavam para combater o “inimigo “Com isso uma ditadura se mantinha, como aconteceu com a Argentina, na malfadada Guerra das Malvinas, ou como queriam os ingleses, Falklands War. O patriotismo se constituiu no pilar de apoio da ditadura militar em 1982. O governo vinha se esfacelando e precisava de alguma coisa para ao mesmo tempo juntar apoio político e distrair o povo. Atacaram o arquipélago que tinha uma pequena guarnição militar, e a distância considerável das bases militares inglesas, deram a sensação de vitória. Os ânimos anti britânicos se exaltaram e durante um curto período de tempo houve uma euforia pela vitória de uma nação contra o imperialismo da Union Jack. Durou pouco como se sabe. Pelo menos mil soldados morreram de lado a lado e as ilhas continuam falando a língua do Mr. Bean.

Já a ditadura brasileira recorreu a um estratagema bem mais pacífico para juntar o povo sob um ideal patriótico e de sustentação política: o futebol. No período militar a pátria estava em chuteiras, como definiu Nelson Rodrigues. Todos juntos vamos, prá frente Brasil, salve a seleção... dizia o hino da copa. Um grupo de mágicos futebolistas inebriaram a cabeça do povo e deu apoio político até 1974. Médici quando ia nos estádios era ovacionado. Contudo, essas estratégias minguaram. Não há guerras e não há mais craques. Restou a elite política acarinhar povo para buscar apoio político e votos com pequenos mimos. Um deles é o de suspender o trabalho em creches, escolas, postos de saúde, repartições públicas e outros órgãos durante os jogos da seleção. Qual? Tanto faz se masculina, ou feminina, de futebol ou qualquer outro esporte que seduza a opinião pública. O método mudou mas o resultado esperado é o mesmo, apoio político e eleitoral para a próxima eleição que se aproxima, seja de prefeito, vereador ou qualquer outro cargo.

Heródoto Barbeiro é editor-chefe e âncora do Jornal da Record News em multiplataforma - -https://linktr.ee/h.barbeiro           -        https://herodoto.com.br/livros-publicados/

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.