Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A mídia é a vista da nação. Por ela é que a nação acompanha o que se passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que lhe sonegam, ou roubam, percebe onde lhe alvejam, ou nodoam, mede o que lhe cerceiam, ou destroem, vela pelo que lhe interessa, e se acautela do que a ameaça. Sem vista mal se vive. Vida sem vista, é vida no escuro, vida na solidão, vida no medo, morte em vida; o receio de tudo; dependência de todos; rumo à mercê do acaso; a cada passo acidentes, perigos, despenhadeiros. Tal a condição do pais, onde a transparência se avariou, e, em vez de ser olhada, por onde se lhe exerce  a visão, ou o cristal, que lhe clareia, é a obscuridade, onde se perde, a ruim lente, que lhe turva, ou a droga maligna, que lhe perverte, obstando-lhe a notícia da realidade, ou não lhe deixando senão adulterada, invertida e  enganosa.

Já lhe não era pouco ser o órgão visual da nação. Mas a mídia, entre os povos livres, não é só o instrumento da vista, não é unicamente o aparelho do ver, a serventia de um só sentido. Participa nesses organismos coletivos, de quase todas as funções vitais. É, sobretudo,  mediante a transparência que os povos respiram. Nada mais útil às nações do que a mídia na lisura de sua missão. Nada mais nefasto do que ela mesma na transposição do  seu papel. Se o fiel der em ladrão, não haverá neste mundo, ladrão tão perigoso. Por que bem poucos são os que dos seus guardas e guardam. Todo o bem que se haja dito, e se disser da mídia, ainda será pouco, se a considerarmos livre, isenta e moralizada. Moralizada não transige com os abusos. Isenta, não cede às seduções. Livre, não teme os poderosos.

O fino da esperteza consistiria, principalmente, em que, contestando a mídia com a mídia, fronteando com a imprensa veraz, a imprensa professada na mentira, açulando contra a mídia incorrupta uma mídia de todas as corrupções, lograria este sistema desatinar a opinião pública, deixa-la muitas vezes indecisa entre o rasto da verdade e o da mentira, ou, muitas outras, induzi-la a tomar a pista falsa pela verdadeira. Nestas suas traças não errou o tino dos políticos brasileiros. Muitas almas de enredaram em sua certeza e não caíram. O jornalismo não perdeu todos os presídios  de sua honra. Mas ainda que aqui se viu que é sempre um sem número o número de tratantes, que a ralé dos traficantes não tem conta. Ao redor do poder pulula a multidão venal, e os governos, se topam em algum obstáculo é em dar vazão ao numero de mascates da palavra escrita. Rui Barbosa escreveu uma longa palestra em que trata da mídia de sua época e os governos da chamada república velha. Estas palavras, com pequenas atualizações, foram tiradas de lá. O texto se chama A Imprensa e o Dever da Verdade, é muito atual ainda que Rui estivesse mergulhado, como sempre, na luta política de sua época. A conferência foi editada em 1920 revertendo o resultado para um conjunto de escolas de Salvador, algumas delas tão humildes, que tinham apenas cobertura de palha.

Heródoto Barbeiro é editor chefe e âncora do Jornal da Record News em multiplataforma - www.herodoto.com.br -  https://herodoto.com.br/livros-publicados/

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.