Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O chefe do executivo conseguiu o que queria. Nomeou um general para a presidência da Petrobrás. Muitos, erroneamente, consideram a companhia uma estatal e por isso o governo federal tem o poder para trocar quem quiser da diretoria da empresa. A razão social é Petróleo Brasileiro S.A. Em outras palavras, quando a empresa foi criada pelo presidente Getúlio Vargas, ela tomou um caráter de uma empresa de capital misto, ou seja público e privado. Isto não perturba a imagem nacionalista de Vargas, turbinado pela campanha do Petróleo É Nosso. O nacionalismo para uns é o Estado ter o controle total de um monopólio considerado estratégico, o petróleo. Outros entendem que  brasileiros podem comprar ações da empresa que são negociadas na bolsa de valores. E isto está longe de uma socialização de um setor da economia. Está mais perto de um capitalismo estatal. Direita e esquerda são defensores das empresas do Estado.

O Estado é detentor da maior parte do capital da Petrobrás. Em outras palavras, é o maior acionista. Tem, inclusive as Golden share, ou seja, tem o direito de indicar não só o presidente da empresa, mas influenciar na composição de toda a administração. Há uma ala nacionalista nas forças armadas que entendem que a Petrobrás tem valor estratégico-militar e é gestora de um produto essencial se voltar a ocorrer um conflito internacional de grandes proporções como ocorreu no século 20. Assim, mesmo que as ações sejam negociadas, inclusive, na bolsa de valores de Nova York, o Estado não perde poder sobre quais os caminhos que a exploração e o refino do petróleo podem tomar. Especialmente quando as jazidas de petróleo no mar ganham espaço na prospecção e exploração graças à tecnologia de desenvolvimento acelerado. O exemplo da Noruega inspira os nacionalistas tupiniquins. 

Afinal, o general que assume a empresa tem experiência na área ? Essa é uma das questões que ninguém debate publicamente com receio de ser considerado opositor do governo ou alguém que defende o interesse das “Sete Irmãs do Petróleo” , as maiores petroleiras do mundo, acusadas de serem a ponta de lança do imperialismo nas áreas petrolíferas, principalmente no Oriente Médio. Elas devem ser mantidas à distância das regiões onde se pressupõe a existência de petróleo que em terra, ion shore, ou no mar, off shore. Elas são criticadas da extrema direita à extrema esquerda. Portanto a Petrobras deve continuar sob o controle do governo uma vez que ele tem a maioria das ações. Com os militares no poder, não foi surpresa a indicação do general Ernesto Geisel para presidente da empresa. Com a imprensa sob censura e as liberdades individuais cerceadas pelo ato institucional 5 em vigor, o máximo que se vê é uma reprodução do perfil do novo presidente, sua carreira no exército e como chegou ao posto de general. Contudo já há quem admiae que a presidência da Petrobrás pode se em um degrau para a presidência da república. Afinal o regime é militar.

Heródoto Barbeiro é âncora do Jornal da Record News o primeiro em multiplataforma -  hbarbeiro@recordtv.com.br

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.