Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira e segunda doses da vacina estão disponíveis gratuitamente em todas as unidades de saúde de Ibiporã para pessoas entre 15 e 27 anos

A segunda etapa da campanha estadual de vacinação contra a dengue em 30 municípios do Paraná prossegue até 31 de março. As vacinas estão disponíveis gratuitamente em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) para adolescentes e jovens entre 15 e 27 anos. Apenas nos municípios de Paranaguá e Assaí a faixa etária é diferente: dos 9 aos 44 anos. Isto se deve porque as duas cidades têm maior incidência da doença.

Segundo o Setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde, desde o início da campanha, na sexta-feira (03), até terça-feira (07) 663 doses haviam sido aplicadas em Ibiporã, sendo 115 a primeira e 548 a segunda dose. No sábado (04), Dia D da Campanha de Vacinação, quando todas as unidades de saúde da zona urbana ficaram abertas para imunizar o público-alvo 341 doses foram aplicadas.

A meta da Secretaria Municipal de Saúde é imunizar todas as 4.370 pessoas que receberam a primeira dose da vacina em agosto/setembro de 2016. A cobertura vacinal da primeira etapa da campanha em Ibiporã ficou em 39,10%, abaixo da meta estipulada, que era de 80%. Por isso, o município estabeleceu algumas estratégias para aplicar a vacina das 6.805 pessoas que não receberam a primeira dose. "Além de disponibilizar a vacina gratuitamente em todas as unidades de saúde, estamos contando com a colaboração de cinco equipes da 17ª Regional de Saúde, de Londrina, que estão percorrendo o comércio, bairros, cooperativas e fábricas. Os servidores também estão indo até as escolas e faculdade fazer a vacinação. Na zona rural os Agentes Comunitários de Saúde vacinam as pessoas nas próprias residências. Além disso, estamos com uma intensa divulgação na mídia e fazendo o chamamento do público por meio de cartas, SMS e redes sociais", informa a coordenadora de Epidemiologia, Sebastiana Caetano Riechel.

No próximo sábado (11) haverá vacinação durante todo o dia na Praça Pio XII e em postos volantes instalados em mercados da área central. No dia 25, um sábado, as unidades de saúde do centro abrirão novamente das 9 às 17 horas exclusivamente para imunizar as pessoas que não têm tempo de procurar uma unidade de saúde durante a semana.

Imunização

A vacina tem três doses, e elas devem ser tomadas a cada seis meses. A imunização é completa após a aplicação de três doses, as quais não podem ser aplicadas em conjunto com vacinas para outras doenças (precisa dar intervalo de um mês). De acordo com a Secretaria de Saúde (Sesa) do Estado, quem não foi imunizado na primeira fase da campanha pode receber a vacina nesta nova etapa. Ela é contraindicada apenas para gestantes, mulheres que amamentam e imunodeprimidos.

Para se imunizar é necessário apresentar os seguintes documentos: documento oficial com foto, comprovante de endereço, carteira de vacinação e cartão SUS, caso os possua. "A vacina é eficaz contra todos os tipos de dengue (quatro sorotipos) e reduz em 93% os casos graves da doença, aqueles que levam ao óbito.  .A imunização busca diminuir a circulação viral da dengue pelo estado. Por isso é muito importante o apoio e incentivo dos pais para que os jovens e adolescentes sejam imunizados, pois além de proteger a pessoa que tomou a vacina, evita a transmissão para outros", ressalta Sebastiana.

O Paraná é o primeiro das Américas a fazer uma campanha pública contra a dengue. A Dengvaxia, vacina produzida pela empresa francesa Sanofi Pasteur, é pioneira no mundo e foi aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em dezembro de 2015, depois de 20 anos de pesquisa e a comprovação de sua efetividade (eficácia global de 66%).

Dengue em Ibiporã

Em Ibiporã, conforme o setor de Epidemiologia, de agosto de 2016 até o dia 06 de março foram notificados 390 casos de dengue, sendo sete confirmados, todos autóctones (contraídos no próprio município).

Durante todo o ano passado foram notificados 2.599 casos de dengue em Ibiporã, sendo 1.413 positivos - todos autóctones. Também foram contabilizados cinco casos de zika vírus no ano passado. "Apesar de o município estar em uma situação relativamente tranquila, o calor aliado às recentes chuvas são o cenário ideal para a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Por isso, estamos em alerta e a vacina é uma estratégia essencial para o controle da doença", declara a secretária de Saúde, Andrea Stroka.

COM/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios