Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Passeata de veículos organizada pela Coordenadoria de Atendimento à Mulher de Ibiporã (Cami) percorreu a área central para ressaltar importância da lei que tornou mais rigorosa a punição para agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico e familiar

O mês de agosto foi escolhido para conscientização sobre a violência contra a mulher e também de ampla divulgação dos direitos femininos, além de ser o mês em que a Lei Maria da Penha completa 14 anos de aprovação.

Em Ibiporã, a Prefeitura Municipal, por meio da Coordenadoria de Atendimento à Mulher de Ibiporã (Cami), promoveu na última sexta-feira (7), data em que a Lei Maria da Penha foi sancionada, uma carreta pela área central para ressaltar a importância da lei e a denúncia dos casos de violência. A ação contou com o apoio de todos os serviços que integram a rede de atendimento à mulher em situação de violência doméstica (CRAS, CREAS, Conselho Tutelar, Secretaria Municipal da Saúde, hospitais, Poderes Judiciário e Legislativo e Polícias Civil, Militar e Rodoviária).

Durante a carreata, servidoras da Secretaria de Assistência Social entregaram materiais de orientação sobre a importância da prevenção e do enfrentamento à violência contra a mulher. Em uma tenda instalada na Praça Pio XII, profissionais da Cami receberam e repassaram orientações sobre os serviços prestados às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

Estudos apontaram que a situação de isolamento social, devido à pandemia de coronavírus (COVID-19), tem potencializado os casos de violência contra as mulheres em todo o mundo. “Diante desta nova realidade pandêmica, a campanha Agosto Lilás é mais uma forma de levar informação às mulheres, como forma de ajudá-las a romper o ciclo de violência, e de trazer maior visibilidade sobre o assunto para toda a sociedade”, ressalta a secretária de Assistência Social, Ireny Sorge.

Segundo levantamento do Creas, 64 casos de violência contra a mulher foram recebidos pela rede de atendimento de janeiro a julho. Cerca de 25 vítimas estão sendo acompanhadas pela equipe. A faixa etária dos 30 a 40 anos foi a que mais teve encaminhamentos. A violência psicológica, seguida da física são os tipos predominantes.

Presente à mobilização, o prefeito João Coloniezi lembrou que a agressão não é apenas aquela que deixa marcas físicas.  “A maioria das mulheres sofre calada, por vergonha, medo ou por não saber a quem pedir ajuda. Mas saiba você, mulher, que é vítima de violência física, sexual, psicológica, patrimonial ou moral, que estamos aqui para te acolher, oferecendo apoio e proteção, e te auxiliar a romper o ciclo da violência”,  frisou o prefeito.

CAMI

Recentemente, a rede de serviços de atendimento à mulher vítima de violência no município ganhou um reforço importante com a criação da Coordenadoria de Atendimento à Mulher de Ibiporã (Cami). O objetivo é formular, coordenar e acompanhar as políticas públicas referentes à mulher na cidade de Ibiporã, trabalhando na defesa de seus direitos e garantindo a plena manifestação de suas capacidades com autonomia.

O trabalho na Cami é realizado por uma equipe multiprofissional, formada por psicólogas, assistente social e assessoria jurídica visando à autonomia, valorização e capacitação para o mundo do trabalho, prevenção e enfrentamento à violência, saúde e bem-estar das mulheres. Provisoriamente, a Cami está funcionando no  Creas - Rua José Bonifácio, 870. Porém, futuramente, atenderá em espaço próprio.

Conforme a coordenadora da Cami, a psicóloga Lisa Mitiko Koga, a Coordenadoria de Atendimento à Mulher de Ibiporã objetiva fortalecer o trabalho já realizado pelo Creas, que oferta atendimento e acompanhamento para mulheres em situação de violência doméstica e familiar, oferecendo serviços de acolhida, atendimento individual, oficinas quinzenais, busca ativa por meio de contatos telefônicos e visitas domiciliares, atividades temáticas em meses comemorativos, articulação com a rede de serviços e encaminhamentos necessários. “Queremos fortalecer a rede de serviços de atendimento à mulher vítima de violência, bem como desenvolver um trabalho psicológico com o agressor e preventivo junto à sociedade. Para isso, pretendemos formular ações de engajamento com vários setores do poder público, Judiciário, Legislativo e sociedade civil na formulação de políticas públicas”, explica a coordenadora.

Em situação de violência contra a mulher, DENUNCIE!!!!

Boletim de Ocorrência online: policiacivil.pr.gov.br/BO.

Polícia: Se o crime está acontecendo no momento ou ocorreu há pouco, a vítima deve acionar a Polícia Militar pelo telefone 190 ou comparecer a uma Delegacia da Polícia Civil do Paraná

Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 presta uma escuta e acolhida qualificada às mulheres em situação de violência. O serviço registra e encaminha denúncias de violência contra a mulher aos órgãos competentes, bem como reclamações, sugestões ou elogios sobre o funcionamento dos serviços de atendimento.

Coordenadoria de Atendimento à Mulher de Ibiporã (Cami) – 3178-0211

Caroline Vicentini/NCPML

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.