Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Ibiporã começou o ano com obras em três prédios que administra, com o objetivo de melhor atender a comunidade e preservar esses espaços culturais. Desde janeiro está em reforma a Casa de Artes Ofícios Paulo VI, local onde viveu e trabalhou por quase 50 anos o artista plástico Henrique de Aragão (1931-2015).

Também está em reforma o prédio da Biblioteca Pública, na esquina das Ruas Primeiro de Maio e José Bonifácio, que estava interditado desde 2009, devido a problemas na construção resultantes de uma tempestade que causou sérios prejuízos a Ibiporã. O terceiro local que receberá adequações é o Cine Teatro Padre José Zanelli, para atender recomendações técnicas de segurança.

Sobre a Casa de Artes, ela é uma edificação pública que foi cedida em 1966 a Henrique de Aragão para ali realizar oficinas e cursos de arte e enquanto ele esteve vivo e ali morou, toda a responsabilidade sobre o espaço era do artista. Com a morte de Henrique, em agosto de 2015, foi criada uma comissão que, em conjunto com a família do artista, decidiu pela doação do imóvel da Casa de Artes para o Município, o que foi chancelado por uma decisão da Justiça local, no ano seguinte.

“Com isso, todo o acervo da Casa de Artes, que conta com obras do Henrique e de obras de outros artistas, ferramentas, utensílios e seus objetos pessoais, tudo isso foi doado para a Fundação Cultural de Ibiporã. Com isso, hoje temos a possibilidade de cuidar da edificação utilizando recurso público e colocarmos funcionários públicos ou terceirizados através de processo público, porque hoje ela é um espaço municipal”, informa o presidente da Fundação Cultural e secretário municipal de Cultura e Turismo, Agnaldo Adélio.

“Quando assumimos a Secretaria de Cultura, já tinha sido feita uma reforma prévia do espaço, para que a Casa de Artes pudesse ser utilizada, mas carecia de uma reforma mais detalhada, com substituição da parte elétrica, de madeiras apodrecidas, calhas, adequação do ateliê do artista e outras coisas”, acrescenta o secretário. “Solicitamos então à Secretaria de Planejamento da Prefeitura um projeto de adequação com características novas para a edificação, mas sempre respeitando a arquitetura do edifício, sem realizar intervenções significativas que pudessem descaracterizá-lo, como a cor, os espaços, ambientes, porque é um edifício histórico, precisamos preservá-lo do jeito que é”, enfatiza.

O que está sendo feito

O projeto foi então concluído e a obra foi iniciada, com um valor de R$ 386 mil. “Vamos restaurar o espaço para termos mais condições de salvarmos obras e objetos que estão no prédio e também aproveitarmos e espaço de modo mais efetivo para que possamos ter aulas. Nós não tínhamos salas especificamente definidas. Hoje, com base no projeto de execução, haverá uma sala voltada para escultura e outra para desenho, fora a melhoria nos banheiros, a restauração do teatro de arena para que possamos levar mais espetáculos ao local e oferecer mais segurança aos artistas, pois o piso estava em mau estado”, informa.

Tudo isso está sendo contemplado na reforma da Casa de Artes Ofícios Paulo VI, que em breve será reaberta à visitação. Até lá a comunidade será mantida informada sobre o andamento da reforma nos canais de comunicação da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (http://culturaeturismo.ibipora.pr.gov.br/ e https://www.facebook.com/fundacaoculturaldeibipora/).

Cecília Vogmann e Jaime Kaster/ SMCT – PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios