Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Escola Profª Alice Roma é a segunda instituição de Ibiporã a receber o projeto “Água é Vida”, que incentiva o plantio de hortas escolares por meio da técnica da hidroponia

Daqui a um mês, alunos da Escola Municipal Profª Alice Roma, no Jardim San Rafael, também poderão consumir alface, rúcula e almeirão fresquinhos e orgânicos cultivados por eles mesmos na horta hidropônica suspensa instalada na instituição. É a segunda unidade municipal de ensino a integrar o projeto “Água é Vida”, parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e do Trabalho de Ibiporã.

As mudas das hortaliças foram plantadas por alunos do segundo ano na semana passada em copos descartáveis que foram utilizados nos prédios públicos e serão reutilizados em cada plantio. A estrutura em canos de PVC foi construída pelo servidor da Secretaria do Trabalho, Elias de Castro e Souza. O funcionamento da horta hidropônica suspensa é simples: os tubos de PVC funcionam como canais de cultivo onde as raízes das plantas recebem micro e macro nutrientes. A cada 30 minutos um “timer” liga uma bomba d'água de 50 litros que irriga as mudas. Esta bomba precisa ser abastecida a cada 15 dias. “Trata-se de uma tecnologia de produção com baixo impacto ambiental, econômica e que necessita o mínimo de mão de obra. Por estarem livres das variações do clima e de pragas, as verduras se desenvolvem de forma mais rápida do que quando plantadas na terra. As hortaliças podem ser colhidas entre 25 e 35 dias. Já pela técnica tradicional, o desenvolvimento é em torno de 70 dias. Outra vantagem é a economia de água, que chega a 80% em relação ao cultivo tradicional”, explica Souza.

Segundo a diretora, Suely Lambert, a oportunidade de conhecer e cuidar de uma horta hidropônica será muito interessante, visto que há pouco mais de um mês os alunos plantaram temperos em uma horta tradicional nos fundos da escola. “Acredito que será uma situação muito oportuna para acompanhar as diferenças com o cuidado, desenvolvimento das plantas. Por meio da horta, podemos ensinar diversos conteúdos, como ciências, matemática, história, ou seja, todos os componentes curriculares. Além disso, a horta propicia o manejo em equipe, a cooperação, a preservação dos recursos naturais e incentiva a alimentação saudável”, pontuou a diretora.

No mesmo dia, foi realizada a segunda colheita e o plantio de novas mudas na primeira instituição a receber o projeto, o Complexo Educacional Professora Maria do Carmo Galvão Uille, no Jardim Éden. Desde abril, as crianças dos Pré I e II fazem passeios diários à horta pedagógica para acompanhar o desenvolvimento das hortaliças. Em cada copo foi colocado o nome do aluno, gerando ainda mais comprometimento da criança com a atividade. “Como o tema trabalhado com os estudantes no “A União Faz a Vida” este ano é “alimentação” pudemos englobar esta atividade em nosso planejamento curricular e aliar a teoria à prática. Durante o mês promovemos passeios pedagógicos à nossa horta e eles demonstraram muito interesse e entusiasmo em acompanhar o desenvolvimento das mudas”, comentou a diretora Mirela Lopes de Arruda.

As verduras fresquinhas, crocantes e livres de agrotóxicos estão incrementando a merenda escolar e já despertam o interesse das crianças por uma alimentação mais saudável. “Observamos que depois que começaram a cuidar da horta, muitos alunos que não gostavam de verduras e legumes passaram a tomar gosto pelo alimento e até pedem para os pais comprarem pois tiveram os sentidos e a curiosidade aguçados por se envolverem com o plantio das hortaliças”, constatou a nutricionista da Secretaria de Educação, Cristhiane Ludwig.

A proposta do governo municipal é que todas as 29 unidades escolares de Ibiporã tenham uma horta hidropônica suspensa. “É um projeto um pouco caro, mas estamos estabelecendo parcerias para doação dos materiais que são utilizados nas estruturas e os adubos para as hortaliças. “Está sendo muito gratificante ver a alegria das crianças se envolvendo com uma atividade tão rica, que proporciona diversas experiências. “A horta escolar serve para trabalharmos vários aspectos na formação do aluno, tais como preservação do meio ambiente, cuidado com o que é do outro, o cooperativismo, o fato de colher algo que plantou com as próprias mãos, a paciência que ela terá que desenvolver para esperar a planta crescer até chegar ao ponto de ser consumida, alimentação saudável. Quando a criança cuida da hortaliça ela toma gosto por experimentar o alimento, pois se lembra de que plantou aquela alface, almeirão e aceita com maior prazer”, concluiu a secretária.

NCPMI

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios